Alexandre de Moraes toma posse no TSE com presença de Bolsonaro e sem discurso

Este foi o primeiro evento com a participação dos dois desde as críticas do presidente ao inquérito do STF sobre fake news, cujo relator é Moraes

Gabriela Coelho, da CNN em Brasília
02 de junho de 2020 às 18:37 | Atualizado 02 de junho de 2020 às 18:57
Alexandre de Moraes
O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Alexandre de Moraes
Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

O ministro Alexandre de Moraes, do STF (Supremo Tribunal Federal), tomou posse nesta terça-feira (2) como membro efetivo do Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Moraes ocupará a vaga aberta com a saída da ministra Rosa Weber, que deixou a corte em razão do término de mandato.

O ministro não discursou. Moraes apenas leu o compromisso formal de posse: "Assumo o cargo de ministro do TSE, prometendo cumprir fielmente a Constituição e a legislação do país".

O presidente Jair Bolsonaro participou por videoconferência da solenidade. Este foi o primeiro evento com a participação dos dois desde as críticas do presidente à operação policial autorizada pelo ministro no âmbito do inquérito do STF que apura ameaças e fake news contra a Corte.

Leia também:

Bolsonaro busca diálogo direto com Alexandre de Moraes

Alexandre de Moraes pretende usar provas das fake news no TSE

Quebra de sigilo de empresários atinge eleições 2018; PT quer usar provas no TSE

Moraes pretende defender no TSE a reabertura da fase de produção de provas das ações que apuram na corte eleitoral a utilização de uma rede de fake news nas eleições de 2018. Atualmente, quatro ações contra a chapa de Bolsonaro e do vice Hamilton Mourão tramitam no TSE, e todas elas já finalizaram o processo de produção de provas. Até o embate do Palácio do Planalto com o STF, a tendência era de que elas fossem arquivadas pelo relator, Og Fernandes. 

A operação contra os bolsonaristas nesta semana, porém, reavivou a possibilidade de que elas sejam retomadas. Isso porque Moraes pediu a quebra do sigilo de empresários alinhados ao presidente que, segundo ele, podem ter financiado a produção de fake news na campanha de Bolsonaro.