Bolsonaro lamenta mortes pelo coronavírus, mas diz que é ‘destino de todo mundo’


Reuters
02 de junho de 2020 às 21:35
O presidente Jair Bolsonaro

O presidente Jair Bolsonaro

Foto: Adriano Machado/Reuters

No dia em que o Brasil registrou novo recorde diário de mortes por Covid-19, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) disse que lamenta as mortes causadas pela epidemia, mas que é o "destino de todo mundo".

"A gente lamenta todos os mortos, mas é o destino de todo mundo", disse Bolsonaro na manhã desta terça-feira (02), em resposta ao pedido de uma pessoa no portão do Palácio da Alvorada por uma palavra aos apoiadores.

Na noite desta terça-feira, o Ministério da Saúde informou que o Brasil registrou um novo recorde diário de mortes em decorrência do coronavírus, com 1.262 óbitos, o que eleva o total no país para 31.199.

Leia também:

Senado aprova projeto para suspender reajuste de remédios e planos de saúde

Covas avalia regras diferentes para regiões de aglomeração do comércio de rua

Também foram notificadas 28.936 novas infecções, fazendo com que a contagem total de casos no país atinja 555.383. O número, porém, não alcança o recorde para um só dia desde o início da pandemia, registrado em 30 de maio, quando houve mais de 33 mil novos casos confirmados.

A máxima diária anterior para as mortes por Covid-19 era de 21 de maio, com 1.188 óbitos.

O Brasil é o segundo país com maior número de casos de coronavírus no mundo, atrás apenas dos Estados Unidos, que possuem pouco mais de 1,8 milhão de infecções, segundo contagem da Universidade Johns Hopkins.

O Brasil é o quarto país com mais mortes pelo coronavírus, abaixo somente de EUA, Reino Unido e Itália.