Deputados Sanderson e Maria do Rosário debatem atos pró e contra Bolsonaro


Da CNN
05 de junho de 2020 às 17:35
 
 

Os deputados federais Sanderson (PSL-RS) e Maria do Rosário (PT-RS) debateram na CNN nesta sexta-feira (5) sobre as manifestações contra e a favor do governo de Jair Bolsonaro (sem partido) no país.

No último domingo (31), atos de apoiadores e opositores ocorreram simultaneamente na Avenida Paulista, o que terminou em tumulto e enfrentamento com policiais.

Nesta sexta, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) voltou a criticar manifestações contra ele, chamando de marginais e terroristas possíveis participantes dos atos.

"Geralmente são marginais, terroristas, maconheiros, desocupados que não sabem o que é economia, o que é trabalhar para ganhar o seu pão de cada dia", afirmou o presidente. "E querem quebrar o Brasil em nome de uma democracia que eles nunca souberam o que é e nunca zelaram por ela."

Leia também:

Ex-ministros Cardozo e Admar Gonzaga avaliam pautas das manifestações
O Grande Debate: Quando protesto vira ato terrorista, como classificou Bolsonaro?
SP deve ter protestos contra e pró-Bolsonaro em dias diferentes, diz Doria

Sanderson disse que o Estado democrático requer que as autoridades "trabalhem, de todas as maneiras, para que os direitos de expressão e livre pensamento sejam respeitados em toda a sua extensão", mas que as declarações de Bolsonaro são normais.

"É normal que o presidente da República faça pedidos para que os ânimos sejam arrefecidos. Claro que todos têm direito de manifestarem suas opiniões, mas sempre de forma ordeira", defendeu.

O deputado do PSL ainda considerou que o grupo chamado Antifas "já disse a que veio no domingo passado, em São Paulo, quando deu demonstrações flagrantes de que o objetivo ali não é de contribuir ou construir, mas ao contrário, é de destruir, quebrar", classificou. "Bem diferente das manifestações democráticas que presenciamos nos últimos finais de semana, com pessoas de verde e amarelo".

Maria do Rosário avaliou que o Brasil vive "uma situação extremamente grave", que "a tarefa é defender a democracia" e criticou Bolsonaro.

"O presidente está atacando a Constituição quando ataca manifestações que estão defendendo a democracia e apoia atos que procuram o fechamento do Supremo Tribunal Federal (STF) e do Congresso Nacional", afirmou.

A deputada lembrou que o número de mortes por Covid-19 no Brasil já passou de 34 mil e, "no entanto, as manifestações que o deputado Sanderson elogiou - na porta do Palácio do Planalto, que marcham com tochas como a Ku Klux Klan e agem com faixas contra o STF - carregam caixões."

"Hoje, Bolsonaro não só atacou movimentos legítimos e democráticos do próximo domingo, como incentivou infiltrações nesses. A tradição dos brasileiros e brasileiras que defendem a democracia não é quebrar nada ou realizar ato de vandalismo - isso deve ser condenado sempre. Nossa tradição é a palavra, o discurso e a liberdade que conquistamos superando uma ditadura. Vocês brincam com a nação brasileira em um momento dramático da perda de vidas sem ter o mínimo de amor às famílias que estão perdendo seus entes queridos", disse Maria do Rosário.

(Edição: Bernardo Barbosa)