Em comunicado, grupo antifa explica entrevista à CNN

O grupo afirmou que o antifascismo é uma luta "travada em escala global" e que "não há uma compreensão do que representa a luta antifascista" no país

Paula Mariane, da CNN, em São Paulo
09 de junho de 2020 às 12:34 | Atualizado 09 de junho de 2020 às 13:13
Grupo Ação Antifascista concede entrevista à CNN 
Foto: CNN (08.jun.2020)

O grupo Ação Antifascista São Paulo publicou post no Facebook nesta terça-feira (9) no qual diz que seu integrantes concederam entrevista à CNN por acreditarem "que somente a narrativa da direita tem aparecido nas grandes redes de mídia".

Na reportagem publicada pela CNN – que teve acesso a uma ocupação localizada no centro de São Paulo, ponto de encontro do grupo – os integrantes disseram que resolveram falar pela primeira vez “para contar um pouco o que nós somos, o que nós fazemos e por que nós lutamos de maneira radical nas ruas”.

Assista e leia também:

‘Podemos usar de violência’, dizem integrantes do Antifas à CNN

Na nota, o grupo afirma que "não há uma compreensão do que representa a luta antifascista" e que a violência "é normalizada por setores da extrema direita", além de afirmar que o antifascismo é uma luta "travada em escala global".

"Trabalhadores organizados no mundo todo, contra a violência da onda fascista, ultranacionalista, e supremacista branco. A revolta popular é necessária, contra regimes autoritários que promovem o genocídio e perseguição da população mais pobre da classe trabalhadora", diz o comunicado. 

"Assumimos o risco de conceder a entrevista, pois só assim podemos correr o risco de acertar", afirmou o grupo.