Possível escolha de Nadalim para o MEC enfrenta resistência dentro do governo

De acordo com relatos feitos à CNN, a avaliação de aliados de Bolsonaro é a de que Nadalim representaria uma continuidade da gestão de Abraham Weintraub

Thais Arbex
Por Thais Arbex, CNN  
18 de junho de 2020 às 07:29
Carlos Nadalim, secretário nacional de Alfabetização, é cotado para uma aventual vaga de Weintraub na Educação.
Foto: Divulgação / Ministério da Educação

A possibilidade de o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) optar por uma solução caseira e alçar o secretário nacional de Alfabetização, Carlos Nadalim, ao comando do Ministério da Educação repercutiu mal na ala mais moderada do governo.

De acordo com relatos feitos à CNN, a avaliação de aliados de Bolsonaro é a de que Nadalim representaria uma continuidade da gestão de Abraham Weintraub na pasta. Assim como o atual ministro, o hoje secretário também é seguidor do escritor Olavo de Carvalho.

Nesse cenário, Nadalim tem sido tratado como uma “versão anódina” de Weintraub. O secretário, que chegou ao governo pelas mãos do ex-ministro Ricardo Vélez, também tem relação próxima com Arthur Weintraub, irmão do titular da Educação.

Leia também:
Nove ministros do STF votam para manter Weintraub no inquérito das fake news
Weintraub teme prisão preventiva por ofensas a ministros do STF

Entusiasta da educação domiciliar e combatente dos pensamentos de Paulo Freire, Nadalim também enfrenta resistência do meio educacional. Representantes de instituições públicas e privadas veem a mudança como inócua, uma vez que Olavo de Carvalho, guru do bolsonarismo, manteria forte influência sob o MEC.