Nome de Renato Feder perde força e cresce apoio a solução "caseira" no MEC

Renata Agostini
Por Renata Agostini, CNN  
24 de junho de 2020 às 18:24 | Atualizado 24 de junho de 2020 às 18:40


O nome do atual secretário do Paraná, Renato Feder, para o comando do Ministério da Educação perdeu força, segundo integrantes do Palácio do Planalto. Essa indicação ocorre num momento em que ganha cresce a movimentação dos filhos do presidente para apoiar a nomeação de Sérgio Sant'Anna, atual assessor especial no MEC.

Integrantes da ala ideológica também advogam internamente para que o presidente busque uma solução "caseira", mantendo no comando da Educação alguém que já está no ministério e que "aprendeu com erros anteriores" dos ex-ministros Ricardo Vélez e Abraham Weintraub. Parte dos aliados do presidente argumenta que o ideal era manter o atual secretário-exeucutivo da pasta, Antonio Paulo Vogel, como sucessor.

O presidente ainda não indicou quando tomará uma decisão, diz um aliado. Após se encontrar com Feder no Palácio do Planalto, o presidente indicou que ainda conversaria com outros "dois nomes" para o cargo.

Veja também:

"Foco da educação tem que ser técnico", diz Renato Feder, cotado para o MEC

Quem são os cotados para o MEC após saída de Weintraub