Mourão reúne investidores na quinta para tentar aplacar críticas ao desmatamento


Igor Gadelha
Por Igor Gadelha, CNN  
06 de julho de 2020 às 08:56 | Atualizado 08 de julho de 2020 às 19:58

Coordenador do Conselho da Amazônia, o vice-presidente Hamilton Mourão comandará, na próxima quinta-feira (9), uma reunião com investidores internacionais que criticaram, nos últimos meses, o desmatamento no Brasil. A conversa será por meio de videoconferência.

Leia também:

AGU diz ao STF que não existe omissão do governo na proteção a indígenas

Focos de incêndio aumentam na Amazônia em junho e criam temor sobre estação seca

Corrida do ouro na Amazônia: garimpo ilegal ameaça povo ianomâmi

O encontro faz parte da ofensiva do governo federal para tentar melhorar a imagem do Brasil no exterior e representa uma resposta a uma carta redigida por investidores de nove países, por meio da qual demonstraram preocupação com o desmatamento da Amazônia.

A videoconferência deve reunir o presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, e os ministros da Casa Civil, Braga Netto, da Agricultura, Tereza Cristina, e do Meio Ambiente, Ricardo Salles – este último alvo de críticas não só externas como de colegas do próprio governo. 

Como a CNN mostrou na semana passada, aliados de Salles atribuem à ala militar do governo a coordenação do processo de fritura ao qual o ministro foi submetido nas últimas semanas, com uma série de notícias de que o presidente Jair Bolsonaro poderá demiti-lo.

A avaliação dos aliados de Salles é que a ala militar estaria incomodada com as críticas internacionais ao desmatamento na Amazônia. A região sempre esteve sob forte influência das Forças Armadas. Mourão nega fritura. “Só faço apoiar o Salles”, disse o vice-presidente à CNN.

Regularização fundiária

No encontro desta semana, Mourão quer acalmar os investidores sobre o projeto de lei da regularização fundiária em tramitação na Câmara. Na última sexta-feira (3), o general se reuniu com o autor e o relator da proposta, deputados Zé Silva (Solidariedade-MG) e Marcelo Ramos (PL-AM), respectivamente. 

O objetivo de Mourão é demonstrar aos investidores estrangeiros que o projeto não visa abrir reservas indígenas à mineração, nem favorecer a grilagem e o desmatamento. Mas, sim, titular a terra para responsabilizar os proprietários em caso de infrações.