Em meio a pressão sob Pazuello, presidente recebe sugestões de nomes para Saúde

Presidente tem sido aconselhado a buscar um nome da área médica e que conheça o SUS

Thais Arbex
Por Thais Arbex, CNN  
15 de julho de 2020 às 18:46 | Atualizado 16 de julho de 2020 às 13:00

Em meio à escalada da pressão sobre o ministro da Saúde interino, Eduardo Pazuello, o presidente Jair Bolsonaro passou a receber sugestões de nomes para assumir o comando pasta. A saída do general começou a ser dada como certa depois que integrantes das Forças Armadas e do Congresso relataram insatisfação com a permanência de Pazuello no posto. 

De acordo com relatos feitos à CNN, o nome da cardiologista e pesquisadora Ludhmila Hajjar, diretora de Ciência e Inovação da Sociedade Brasileira de Cardiologia, voltou a ser sugerido a Bolsonaro. Ela chegou a ser cotada para substituir Luiz Henrique Mandetta. O presidente da Sociedade Brasileira de Cardiologia, Marcelo Queiroga, também estaria sendo cotado.

Leia também:

Em gesto de trégua, Pazuello telefona para Gilmar Mendes

Ministro Eduardo Pazuello suspende agenda oficial para não agravar a crise

O presidente tem sido aconselhado a buscar um nome da área médica e que conheça o SUS (Sistema Único de Saúde). Hajjar é intensivista e professora de cardiologia do Instituto do Coração do Hospital das Clínicas (INCOR-HCFM-USP). 

Queiroga, por sua vez, teria a simpatia do filho mais velho do presidente, o senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ). Como a CNN mostrou nesta terça-feira (14), Pazuello disse em conversas recentes não ter apego ao cargo. O general da ativa tem dito que sua intenção é voltar à atividade militar para alcançar o topo da carreira.