PSDB prevê impacto de denúncias contra Serra e Alckmin em eleições municipais

Cúpula do partido teme efeito negativo nas campanhas municipais em São Paulo, Porto Alegre e Belo Horizonte

Por Igor Gadelha, CNN  
23 de julho de 2020 às 11:54 | Atualizado 23 de julho de 2020 às 12:41
 

Integrantes da cúpula nacional do PSDB já preveem prejuízos eleitorais para o partido este ano em razão das recentes denúncias do Ministério Público e operações policiais contra tucanos paulistas, como o senador José Serra e o ex-governador Geraldo Alckmin.

A avaliação é de que as denúncias têm potencial para prejudicar não só a reeleição de Bruno Covas a prefeito de São Paulo, como a de Nelson Marchezan em Porto Alegre e até a tentativa da professora Luísa Barreto de se eleger prefeita de Belo Horizonte. 

Leia mais:
Alckmin deixa coordenação da campanha de Covas à prefeitura de São Paulo
'Não podemos ter favoritismo partidário', diz deputado do PSDB sobre José Serra

Nesta quinta-feira (23), o MP de São Paulo denunciou Alckmin por falsidade ideológica eleitoral, corrupção passiva e lavagem de dinheiro. No início de julho, o Ministério Público Federal denunciou Serra, que foi alvo de operação da Polícia Federal nesta quarta-feira (22).

Embora defendam a inocência de Alckmin e Serra, tucanos mineiros ligados ao deputado federal Aécio Neves reclamaram, em reservado, do tratamento diferenciado dispensado pelos tucanos paulistas, no que classificaram como “corporativismo paulista”.

Eles lembram que, quando Aécio Neves esteve na mira das autoridades, Covas e o governador paulista, João Doria, foram a público defender a expulsão do parlamentar do PSDB. Com Serra e Alckmin, fizeram questão de dizer que acreditavam na inocência de ambos.

 
 
Geraldo Alckmin, ex-governador de São Paulo
Foto: Valter Campanato - 14.ago.2018/ Agência Brasil