Fachin mantém decisão que negou à PGR acesso a dados da Lava Jato

O ministro afirmou ainda que levará o caso para o plenário do Supremo Tribunal Federal

Gabriela Coelho Da CNN, em Brasília
10 de agosto de 2020 às 16:13 | Atualizado 10 de agosto de 2020 às 16:17
Ministro Edson Fachin durante sessão da 2ª turma do STF
Ministro Edson Fachin durante sessão da 2ª turma do STF
Foto: Nelson Jr. - 3.mar.2020/SCO/STF


O ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal (STF), negou nesta segunda-feira (10) um pedido de reconsideração de sua decisão que impediu a Procuradoria-Geral da República (PGR) de receber dados de investigações das forças-tarefa da operação Lava Jato no Paraná, no Rio de Janeiro e em São Paulo.

O ministro afirmou ainda que levará o caso para o plenário da corte. No dia 3 de agosto, Fachin revogou a decisão liminar (provisória) dada pelo ministro Dias Toffoli no plantão que permitia o compartilhamento de dados entre as forças-tarefa da Operação Lava Jato no Paraná, no Rio de Janeiro e São Paulo com a Procuradoria-Geral da República.

Leia também:

Aras diz ao STF que cofre da Lava Jato é inviolável

Lava Jato cita 'procuradores-gerais sem consciência' em recurso contra Aras

O presidente do Supremo, ministro Dias Toffoli, decidiu no último dia 9 de julho que as forças-tarefas da Operação Lava Jato em São Paulo, no Rio de Janeiro e no Panará devem entregar para a PGR todas as bases de dados da investigação.   

A decisão do ministro foi motivada por uma ação protocolada pelo vice-procurador Humberto Jacques de Medeiros, após as forças-tarefas rejeitarem um pedido da PGR para compartilhamento dos dados investigatórios que já foram colhidos.