Planalto não descarta alternativas ao nome de Alcolumbre à presidência do Senado

De acordo com um interlocutor do governo, o Senado está em débito após derrota do governo na votação do veto ao reajuste de servidores na semana passada

Basília Rodrigues
Por Basília Rodrigues, CNN  
24 de agosto de 2020 às 10:48 | Atualizado 25 de agosto de 2020 às 11:52

A derrota imposta por senadores ao veto de Bolsonaro, na semana passada, fez lideranças de governo questionarem o comando de Davi Alcolumbre no Senado e até mesmo sugerirem nomes de outros senadores como candidato do governo à presidência da casa. Alcolumbre é o plano A, mas o Planalto não descarta alternativas.

De acordo com um interlocutor do governo, "o Senado está em débito", ao se referir à votação da semana passada que permitiria reajuste salarial -  que a Câmara reverteu. O risco da conta estourar na candidatura de Alcolumbre vai depender das próximas votações em plenário. 

Leia mais:
Governo sinaliza ao Congresso que enviará reforma administrativa até outubro
Alcolumbre adia análise da PEC do Fundeb

Os presidentes do Senado, Davi Alcolumbre e da República, Jair Bolsonaro, durante cerimônia em Brasília
Foto: Isac Nóbrega/PR (5.ago.2020)

Entre as opções para o Planalto direcionar o seu apoio nas eleições à presidência do Senado, estão os nomes de Eduardo Gomes, líder do governo no Congresso, os vice-líderes Márcio Bittar e Eduardo Braga, assim como a senadora Simone Tebet.

Apoiadores de Bolsonaro problematizam que Alcolumbre não pode "perder protagonismo" até as eleições. Parte disso, tem a ver com a articulação na Câmara, que com o Centrão, tem aparecido mais do que o Senado como determinante para as vitórias do Planalto.