STF permite que Lula tenha acesso a trechos de delação de Palocci

2ª Turma entendeu que permitir o acesso às implicações feitas pelo delator garante o amplo direito de defesa

Gabriela Coelho Da CNN, em Brasília
25 de agosto de 2020 às 18:34 | Atualizado 25 de agosto de 2020 às 18:34
 

Por três votos a um, a 2ª Turma do Supremo Tribunal Federal decidiu autorizar, nesta terça-feira (25), o acesso da defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva a trechos da delação premiada do ex-ministro Antonio Palocci que citam o ex-presidente. 

Os ministros fixaram que Lula poderá ter acesso às declarações de Palocci que o mencionem, mas não poderá ter informações sobre eventuais investigações em andamento. A maioria do colegiado entendeu que permitir o acesso às implicações feitas pelo delator garante o amplo direito de defesa.

Os ministros julgaram um recurso da defesa do ex-presidente contra decisão do ministro Edson Fachin, que só liberou o acesso a parte das declarações de Palocci. Fachin, o relator, manteve a posição de permitir o acesso a parte das informações. O ministro Gilmar Mendes divergiu, ampliando o acesso a todas as menções que envolvem Lula – e foi acompanhado pelos ministros Ricardo Lewandowski e Cármen Lúcia.

Leia e assista também

STF exclui delação de Palocci de ação contra Lula na Lava Jato

STF manda reabrir prazos para alegações finais de Lula em ação sobre instituto

Na semana passada, por dois votos a um, a 2ª Turma do Supremo Tribunal Federal decidiu excluir a delação do ex-ministro Antonio Palocci na ação penal que investiga a compra do terreno e de um apartamento em São Bernardo do Campo. 

Na ação, os advogados alegaram que o ex-presidente estaria suportando constrangimento ilegal em razão do indeferimento, pelo juízo da 13ª Vara Federal de Curitiba, de três pedidos: de suspensão da ação penal até o pronunciamento final do Comitê de Direitos Humanos da ONU acerca das alegadas violações ao Pacto Internacional de Direitos Civis e Políticos; de concessão de prazos sucessivos à oferta de alegações finais por parte de corréus; e de desentranhamento do “Termo de Colaboração 01 de Antônio Palocci Filho”, juntado aos autos da ação penal. Após tentar reverter a negativa por meio de habeas corpus no Tribunal Regional Federal (TRF-4) e no Superior Tribunal de Justiça (STJ), a defesa impetrou o HC  no Supremo.