Fux discute futebol e ritual de posse com Maia e Alcolumbre

Segundo fonte ciente do encontro, em nenhum momento as autoridades trataram da possibilidade de reeleição dos presidentes de Câmara e Senado

Teo Cury, da CNN, em Brasília
27 de agosto de 2020 às 16:12
Ministro Luiz Fux, o próximo presidente do STF
Foto: Rosinei Coutinho/ SCO/STF

As reuniões do ministro Luiz Fux, futuro presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), com os chefes da Câmara e do Senado nesta quinta-feira (27) foram formais e, nelas, não foram tratados assuntos institucionais, apenas amenidades, segundo uma fonte presente.

Fux foi pessoalmente às residências oficiais da presidência da Câmara dos Deputados e do Senado Federal entregar os convites para sua posse, cuja cerimônia será realizada no dia 10 de setembro.

De acordo com uma fonte, que falou à CNN sob a condição de anonimato, em nenhum momento as autoridades trataram da possibilidade de reeleição de Rodrigo Maia (DEM-RJ) e Davi Alcolumbre (DEM-AP).

Leia mais:
STF prepara esquema contra coronavírus para posse de Fux

Nos cerca de 40 minutos em que ficou na residência oficial da presidência da Câmara, entre as amenidades abordadas, o assunto teria sido futebol. O ministro, torcedor do tricolor carioca, teria dito ao deputado, botafoguense, que em seu gabinete há duas bandeiras: a do Brasil e a do Fluminense. 

Também teria brincado que no plenário do STF, onde votam os onze ministros que integram a Corte nas sessões, não é possível pendurar a bandeira tricolor.

Na residência oficial da presidência do Senado, Fux teria comentado com Alcolumbre, que assim como o ministro é de origem judaica, sobre o ritual da posse, que ainda será divulgado. 

Medidas contra o coronavírus

A CNN mostrou na semana passada que além de máscara e recipientes de álcool em gel, os ministros terão as cadeiras separadas por divisórias de acrílico, como medida contra o novo coronavírus.

Será uma sessão semipresencial. Além dos ministros, familiares e autoridades foram convidados para assistir presencialmente à cerimônia.

O evento será realizado no dia 10 de setembro e o ministro foi pessoalmente entregar os convites, como determina o cerimonial da Corte. Na semana passada, o ministro esteve no Palácio do Planalto para entregar o convite ao presidente Jair Bolsonaro.

As visitas do ministro a outras autoridades não têm sido comuns. Ele tem feito reuniões por videoconferência para evitar o risco de contrair o novo coronavírus antes da cerimônia de posse.