A aliados, vice-governador do Rio promete deixar PSC e buscar apoio de Bolsonaro

Castro assumiu interinamente a chefia do Executivo fluminense após ministro do STJ determinar afastamento de Wilson Witzel

Por Igor Gadelha, CNN  
28 de agosto de 2020 às 12:42 | Atualizado 28 de agosto de 2020 às 13:14

O vice-governador do Rio de Janeiro, Cláudio Castro, afirmou a parlamentares aliados que pretende se desfiliar do PSC e buscar uma aproximação com o presidente Jair Bolsonaro, caso assuma definitivamente o governo do Estado. 

Nesta sexta-feira (28), Castro assumiu interinamente a chefia do Executivo fluminense, após o ministro do Superior Tribunal de Justiça Benedito Gonçalves determinar o afastamento por 180 dias do governador Wilson Witzel, que também é filiado ao PSC.

Leia mais:
Witzel diz que não tem 'um papel' de prova contra ele e ataca subprocuradora
STJ afasta Wilson Witzel do governo do RJ e manda prender Pastor Everaldo

O vice-governador do Rio de Janeiro, Cláudio Castro
O vice-governador do Rio de Janeiro, Cláudio Castro
Foto: Fernando Frazão/Agência Brasil

O governador foi afastado em operação que apura suposto esquema de corrupção no governo do Rio. A investigação também resultou na prisão do presidente nacional do PSC, Pastor Everaldo, e em buscas e apreensão na residência do próprio vice-governador.

Witzel, porém, também é alvo de um processo de impeachment na Assembleia Legislativa do Rio, o que pode resultar na ascensão definitiva de Castro ao posto de governador. A expectativa é de que o processo seja acelerado após a operação de hoje.

Em busca de apoio para garantir sua futura governabilidade, Castro tem dito a aliados que quer se afastar totalmente do PSC e buscar reconstruir pontes com o atual chefe do Palácio do Planalto, com que Witzel rompeu politicamente desde 2019.