Deltan Dallagnol deixa a Lava Jato


Daniel Adjuto
Por Daniel Adjuto, CNN  
01 de setembro de 2020 às 10:55 | Atualizado 01 de setembro de 2020 às 15:51

O coordenador da Lava Jato em Curitiba, Deltan Dallagnol, deixou o comando da força-tarefa, conforme antecipou a CNN na manhã desta terça-feira (1º). O motivo seria um problema de saúde de sua filha. A informação foi confirmada por fontes ligadas à operação e, posteriormente, pelo próprio Deltan em suas redes sociais.

Dallagnol trava uma ofensiva na justiça para evitar que o Conselho Nacional do Ministério Público abrisse um processo administrativo disciplinar contra ele, o que poderia evoluir para seu afastamento da coordenação da força-tarefa.

Leia mais:

Alessandro José Fernandes deve ser anunciado hoje como substituto de Dallagnol
AGU recorre ao STF contra suspensão de processos de Deltan Dallagnol no CNMP
Conselho do MP arquiva queixa de Lula contra Deltan por PowerPoint

O procurador da República Deltan Dallagnol

O procurador da República Deltan Dallagnol

Foto: José Cruz/Agência Brasil (10.dez.2019)

Além disso, o procurador-geral da República tem até a próxima semana para decidir se renova a equipe de Curitiba.Nesta segunda-feira, a Advocacia-Geral da União provocou o Supremo Tribunal Federal a redistribuir o recurso que autorizaria o CNMP a retomar a análise de duas ações que pedem o afastamento dele.

O relator, ministro Celso de Mello, que suspendeu a análise dos pedidos contra Deltan no Conselho, está em licença médica. Pelo regimento interno do STF, em casos de licença do relator, poderá haver a redistribuição do processo ao ministro mais antigo do colegiado. No caso da Segunda Turma, é o ministro Gilmar Mendes.

Nos bastidores, a saída de Dallagnol da equipe é vista como uma saída honrosa após seis anos à frente da Lava Jato.

Nota da força-tarefa

A força-tarefa da Lava Jato no Paraná confirmou na tarde desta terça-feira em nota a saída de Dallagnol.

Os integrantes da força-tarefa da Lava Jato no Paraná agradecem Deltan Dallagnol pela imensa contribuição prestada ao combate à corrupção e se solidarizam com o seu momento pessoal, ao tempo em que expressam apoio e confiança a Alessandro Oliveira. Os trabalhos na força-tarefa prosseguirão da mesma forma como nos últimos anos.