Reforma administrativa abre disputa por presidência da CCJ da Câmara


Basília Rodrigues
Por Basília Rodrigues, CNN  
08 de setembro de 2020 às 10:46 | Atualizado 08 de setembro de 2020 às 11:49
Câmara dos Deputados durante a sessão desta quinta-feira (26)

Câmara dos Deputados durante a sessão remota

Foto: Michel Jesus/ Câmara dos Deputados

A reforma administrativa reacendeu a disputa pelo comando da Comissão de Constituição e Justiça da Câmara, uma das mais importantes da casa. MDB, PDT, Republicanos e PSL querem a cadeira.

Nesta quarta-feira (9), a Câmara deve votar o projeto de resolução para permitir o funcionamento de algumas comissões na pandemia, como a CCJ.

Leia mais:
Reforma administrativa prevê demissão de servidor por desempenho insuficiente
Partidos se articulam para apresentar emendas ao texto da reforma administrativa
Reforma administrativa: veja o que pode mudar com a proposta do governo

A CNN apurou que o líder do MDB, Baleia Rossi, vai procurar o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, até esta quarta para articular um nome para o controle da comissão. O partido busca entendimento para emplacar o deputado federal Marcos Biolchi (MDB-RS). 

Já o líder do PDT, André Figueiredo, afirmou à coluna que o partido costura para que a comissão seja presidida por outro gaúcho, o deputado Afonso Motta (PDT-RS).

A escolha depende de um entendimento entre os partidos.

Antes da pandemia, a comissão era comandada pelo PSL, devido ao tamanho da bancada e o vínculo com o presidente Jair Bolsonaro. Mas diante do racha no partido no início do ano, o deputado Lafayette de Andrada do Republicanos, novo partido dos filhos de Bolsonaro, ganhou apoio. Ninguém esperava que viesse uma pandemia, muito menos uma reforma administrativa, o que o governo apresentou na semana passada para mexer na contratação de servidores públicos de todos os Poderes.

(Com colaboração de Larissa Rodrigues)