Na web, Salles provoca DiCaprio: ‘dará dinheiro a projeto ambiental do governo?'


Reuters
10 de setembro de 2020 às 12:12
Ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, durante entrevista coletiva.

O ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, publicou mensagem em inglês no Twitter direcionada ao ator Leonardo DiCaprio

Foto: Dida Sampaio/ Estadão Conteúdo

O ministro do Meio Ambiente, Ricado Salles, respondeu no Twitter a críticas feitas ao governo do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) pelo astro de Hollywood Leonardo DiCaprio. Salles indagou se o ator vai "colocar seu dinheiro onde sua boca está" ao perguntar se o ator vai contribuir com um programa de preservação de florestas lançado pelo governo federal.

"Caro @LeoDiCaprio, o Brasil está lançando o projeto de preservação 'Adote Um Parque', que permite a você ou qualquer outra empresa ou indivíduo escolher um dos 132 parques na Amazônia e patrociná-lo diretamente por 10 euros por hectare por ano. Você vai colocar seu dinheiro onde sua boca está?", escreveu o ministro na mensagem em inglês.

Assista e leia também:

Volume de queimadas no Pantanal em 2020 equivale à destruição dos últimos 6 anos

'Brasil é o país que mais preserva seu meio ambiente', diz Bolsonaro

Ricardo Salles, questionou ator Leonardo DiCaprio pelo Twitter

No Twitter, ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, questionou ator Leonardo DiCaprio após criticas ao governo Bolsonaro

Foto: Reprodução/ rsallesmma/ Twitter

A publicação foi uma resposta a outra feita pelo ator, na vépera, em que ele retuitou uma mensagem em inglês em um vídeo da Articulação dos Povos Indígenas do Brasil (APIB) que pergunta a "todos os cidadãos, governos e pessoas ao redor do mundo: 'De que lado você está: da Amazônia ou de Bolsonaro?"

O ator também publicou as hashtags em inglês "Corte o financiamento de Bolsonaro", "Amazônia ou Bolsonaro" e "De que lado você está?"

Ativista ambiental e crítico da política de Bolsonaro para o setor, DiCaprio já foi alvo outras vezes de críticas do governo, feitas inclusive diretamente pelo presidente, que chegou a acusá-lo — apresentar qualquer prova — de financiar pessoas que colocaram fogo na floresta amazônica.