Bolsonaro e Moro traçam estratégias para depoimento

Do lado de Moro, o roteiro de perguntas ao presidente já está pronto; já no de Bolsonaro há a expectativa de que o STF irá barrar o depoimento

Caio Junqueira
Por Caio Junqueira, CNN  
17 de setembro de 2020 às 18:34 | Atualizado 17 de setembro de 2020 às 18:42

Enquanto o Supremo Tribunal Federal não decide a forma que será tomado o depoimento do presidente Jair Bolsonaro no inquérito que investiga se ele interferiu ou não na Polícia Federal, interlocutores dele e do ex-ministro da Justiça Sergio Moro já começam a delinear as estratégias para a oitiva.

Do lado de Moro, o roteiro de perguntas a serem dirigidas ao presidente já está pronto. Seus aliados dizem que foram esmiuçados todos os depoimentos prestados aos policiais no inquérito até agora com o objetivo de formular as perguntas dentro da linha de investigação adotada pela PF. Desse lado do campo, porém, a avaliação é a de que, qualquer que seja o resultado do depoimento, o destino da investigação já está traçado: o arquivamento pelo procurador-geral da República, Augusto Aras. Isso mesmo com a PF apresentando um relatório conclusivo deixando claro haver indícios de crime por parte do presidente, como o entorno de Moro acredita que será. 

Assista e leia também

Marco Aurélio suspende inquérito sobre suposta interferência de Bolsonaro na PF

O Grande Debate: Bolsonaro deveria prestar depoimento presencial?

'Celso de Mello acertou', diz advogado sobre depoimento presencial de Bolsonaro

'Não se pede nenhum privilégio', diz Bolsonaro sobre depoimento por escrito à PF

Já do lado do presidente, há uma clara expectativa de que o STF não acompanhará Celso de Mello e irá barrar o depoimento. Mas, ainda que ele ocorra, que o presidente se valha da regra legal de não responder às perguntas. Uma ideia que começa a circular dentre seus interlocutores é o de apresentar tão somente uma petição esclarecendo os fatos do inquérito e até mesmo se recusar a responder.

O ex-ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, e o presidente da República, Jair Bolsonaro
Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Antonio Cruz/Agência Brasil