Corregedor da Câmara ouve Flordelis e promete parecer em uma semana

Oitiva durou cerca de três horas e, de acordo com o corregedor, foram feitas dez perguntas à deputada sobre o processo de defesa e acusação

Tainá Farfan e Chico Prado, da CNN, em Brasília
22 de setembro de 2020 às 16:01 | Atualizado 22 de setembro de 2020 às 16:30

O corregedor da Câmara dos Deputados, deputado Paulo Bengtson (PTB/BA), ouviu, nesta terça-feira (22), a deputada Flordelis (PSD/RJ), acusada de ser a mandate do assassinato do marido, pastor Anderson do Carmo.

A oitiva durou cerca de três horas e, de acordo com o corregedor, foram feitas dez perguntas à deputada sobre o processo de defesa e acusação. O corregedor destaca que pretende finalizar seu parecer até próxima a próxima quarta-feira (30). O processo corre em sigilo.

“Estamos atuando em torno do ponto de vista do processo parlamentar”, disse o deputado, que, apesar disso, confirmou ter perguntado se a deputada se considera inocente, como Flordelis alega.

O advogado da deputada, Anderson Rollemberg, disse que “foi dado à ela ampla defesa. Esperamos que a justiça seja feita e vamos, no momento oportuno, provar que houve uma conspiração contra ela”. Rollemberg disse que deve apresentar a defesa preliminar de Flordelis nos próximos dias. 

O advogado afirmou que está recorrendo da determinação para que a deputada coloque tornozeleira eletrônica e que, “se preciso for”, acionará o Supremo Tribunal Federal.

Assista e leia também:

Após intimação, Flordelis não coloca tornozeleira eletrônica

Flordelis: entenda o caso da deputada acusada de mandar matar o marido

Nesta segunda-feira (21), a deputada Flordelis não compareceu ao Núcleo Magarinos Torres, da Secretaria Estadual de Administração Penitenciária do Rio de Janeiro, para colocar tornozeleira eletrônica.

Na semana passada, a juíza Nearis dos Santos Carvalho Arce, da 3° Vara Criminal de Niterói, acolheu um pedido do Ministério Público do Rio de Janeiro, que alegou dificuldade para encontrar Flordelis, em Niterói e Brasília, e determinou monitoramento "urgente" e que a pastora se recolha em casa entre 23h e 6h.

De acordo com a Secretaria Estadual de Administração Penitenciária do Rio de Janeiro, a deputada tem o prazo de cinco dias para instalar a tornozeleira eletrônica, contados a partir desta segunda-feira.

De acordo com o corregedor, se o Conselho de Ética retomar as atividades em breve, o processo de cassação da deputada Flordelis deve ser finalizado até novembro.

Um projeto de resolução, PRC 52/2020, foi apresentado pelo próprio corregedor, que contempla o retorno das atividades, por videoconferência, no Conselho de Ética.

Ainda não há acordo para votação do projeto de resolução apresentado pela própria mesa diretora, que contempla a reabertura, de forma remota, do Conselho de Ética, da Comissão de Constituição e Justiça, Comissão de Fiscalização e Controle, e da Comissão de Finanças e Tributação.

A informação dos bastidores é que há resistência de alguns partidos para retorno de comissões que darão maior celeridade ao andamento da reforma administrativa.