Gilmar Mendes suspende ação penal contra Alexandre Baldy

Decisão vale até que a 2ª Turma do STF decida se a competência para julga a ação penal é da Justiça de Goiás ou do Rio de Janeiro

Gabriela Coelho Da CNN, em Brasília
23 de setembro de 2020 às 17:13 | Atualizado 23 de setembro de 2020 às 17:14

O ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal, suspendeu, nesta quarta-feira (23), ação penal da Lava Jato contra Alexandre Baldy, secretário licenciado de Transportes de São Paulo e ex-ministro das cidades no governo de Michel Temer (MDB).

A decisão vale até que a 2ª Turma do STF decida se a competência para julga a ação penal é da Justiça de Goiás ou do Rio de Janeiro. “Destaca-se a importância do respeito à garantia constitucional do juiz natural e da devida observância dos critérios constitucionais e legais de fixação da competência”, escreveu.

Leia e assista também

Alexandre Baldy: 'Todo o meu dinheiro está declarado no Imposto de Renda'

Alexandre Baldy, secretário de Transportes de Doria, é preso

Alexandre Baldy pede licença do cargo de secretário de SP

A decisão do ministro também suspende o bloqueio de bens de Baldy. “Nessa linha de fundamentação, destaca-se a importância do respeito à garantia constitucional do juiz natural e da devida observância dos critérios constitucionais e legais de fixação da competência. Ante o exposto, defiro a liminar para determinar a suspensão da ação penal, das medidas cautelares (prisão temporária e busca e apreensão e sequestro e indisponibilidade de bens), e de todo e qualquer expediente investigativo em sede policial ou ministerial relacionado aos fatos, até que seja decidido o mérito da presente reclamação”, disse Gilmar. 

O MPF aponta o envolvimento de Baldy com organizações criminosas a partir da intermediação de pagamentos para a Organização Social Pró-Saúde. A OS geria o Hospital de Urgência da Região Sudoeste, em Goiás, entre 2010 e 2017. Em nota, a defesa afirmou que “o Supremo Tribunal Federal, mais uma vez, cumpre seu papel de guardião da constituição, evitando que autoridades apurem fatos que não são de sua competência”.