Procuradores recorrem para aumentar pena de Sérgio Cabral

MPF recorreu também para aumentar as penas do operador financeiro, Carlos Miranda, e do ex-assessor da Casa Civil, Ary Filho

Da CNN
28 de setembro de 2020 às 17:55 | Atualizado 28 de setembro de 2020 às 17:59

O Ministério Público Federal (MPF) recorreu para aumentar as penas do ex-governador do Rio de Janeiro Sérgio Cabral (MDB), do operador financeiro, Carlos Miranda, e do ex-assessor da Casa Civil, Ary Filho. Os três foram condenados por lavagem de dinheiro no esquema descoberto pela Operação Mascate.

O recurso está no Tribunal Regional Federal da 2ª Região (TRF2). Os procuradores apontaram na denúncia que os réus se valeriam de serviços de consultoria inexistentes, compra de veículos e compra de imóveis para desviar recursos. 

Leia e assista também:

STJ nega novo pedido de soltura de Sérgio Cabral
'Crucificar está errado', diz filho de Sergio Cabral sobre crimes do pai
Em delação, Messer diz que conheceu Sérgio Cabral na cadeia

O ex-governador do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral
Foto: Fábio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil (30.nov.2010)

Cabral foi sentenciado a 13 anos de reclusão e ao pagamento de 480 salários mínimo de multa, Carlos Miranda a 12 anos e também 480 salários mínimo e Ary Filho a nove anos e quatro meses e 380 salários mínimo.

De acordo com as investigações, os condenados promoveram a lavagem de dinheiro em 148 situações distintas, ocultando a origem ilícita de mais de 10 milhões reais, recebidos em contratos celebrados pelo governo estadual.

Em primeira instância, a Justiça Federal condenou os três réus em relação a contratos de consultoria e compras de imóveis. O MPF quer que a compra de automóveis também seja incluída na sentença.

(Edição: Leonardo Lellis)