Escolhido de Bolsonaro, Kassio Nunes traça estratégia para sabatina no Senado


Daniela Lima
Por Daniela Lima, CNN  da CNN, em São Paulo
02 de outubro de 2020 às 18:35

O desembargador Kassio Nunes, escolhido do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) para ocupar a vaga de Celso de Mello no Supremo Tribunal Federal, começou sua preparação para a sabatina a que será submetido no Senado, antes de o plenário da casa decidir se aprova ou não sua ida para a corte.

Os conselheiros de Nunes já começaram a formatar a imagem que ele passará ao Congresso. O desembargador será empacotado pelos aliados como o símbolo de que Bolsonaro não abraçou e nem abraçará a linhagem de juízes-estrelas, cujo símbolo máximo é Sergio Moro.

É uma estratégia para atrair parcela significativa da política e do Congresso que tem críticas severas à Operação Lava Jato e ao próprio Moro, o protagonista da operação que arrasou uma série de partidos.

A preparação para a sabatina também inclui a formulação de um roteiro de possíveis perguntas e questionamentos que devem ser feitos ao escolhido de Bolsonaro.

Leia também

Bolsonaro nega que Kássio Nunes teria decidido não extraditar Battisti

Em nota, associação de magistrados apoia Kassio Nunes ao STF

Sabatina de Kassio Nunes terá tom 'duro e esclarecedor', diz Alessandro Vieira

Kassio Nunes

Kassio Nunes Marques

Foto: Ramon Pereira/Ascom/TRF1

Os conselheiros de Nunes, por exemplo, já delineiam o discurso que será usado para rebater eventuais críticas a decisões que causaram alarido na internet, como a que liberou a compra de lagostas para a dispensa do Supremo Tribunal Federal.

A ideia é usar esse tipo de episódio para reforçar a imagem de juiz garantista, atento às formalidades que a função exige e isento de juízo político.

No caso da compra de lagostas, por exemplo, o discurso dos aliados é o de que não cabe a um juiz fazer juízo de valor político sobre a escolha do cardápio do STF, mas sim se a compra seguiu o regramento legal.

Segundo essa linha, a crítica ao cardápio, à escolha de uma iguaria desmedida deve vir do público, da sociedade, que inclusive criticou fortemente a medida. A um juiz imparcial cabe apenas a análise estrita, formal.

A ideia é que, inclusive esses casos polêmicos, sirvam para alimentar a imagem de um juiz garantista e reservado. Nunes foi orientado a não dar declarações públicas até que fale oficialmente ao Senado, na sabatina.