Marinho foi orientado pelo Planalto a não reagir a Guedes

Ministro do Desenvolvimento Regional teria criticado a formulação do programa Renda Cidadã; o ministro da Economia chamou o colega de "desleal" e "fura-teto"

Daniela Lima
Por Daniela Lima, CNN  Da CNN, em São Paulo
03 de outubro de 2020 às 14:43 | Atualizado 03 de outubro de 2020 às 15:05

O ministro do Desenvolvimento Regional, Rogério Marinho, foi orientado pela cúpula do Palácio do Planalto a não reagir aos ataques feitos pelo ministro da Economia, Paulo Guedes, a ele, no fim da tarde desta sexta (2).

Após receber pela imprensa relatos de que, em reunião com investidores, Marinho havia feito críticas à condução que Guedes impôs à formulação do Renda Cidadã, o ministro da Economia chamou o colega de Esplanada de "desleal" e "fura-teto".

Rogério Marinho, ministro do Desenvolvimento Regional
Rogério Marinho, ministro do Desenvolvimento Regional (04.set.2020)
Foto: CNN Brasil

O Renda Cidadã é o programa que o governo Bolsonaro tenta botar de pé para substituir o Bolsa Família.
Marinho seguiu a orientação do staff do presidente Jair Bolsonaro e não devolveu a fala de Guedes. Ele manteve apenas a publicação de uma nota na qual negava ter adjetivado a conduta do ministro da Economia.

Leia também:
Guedes foi atropelado pela necessidade política do Renda Cidadã, diz Carlos Melo
Guedes sugere 'parar de falar em crise' e diz que Brasil está se recuperando

A ordem no governo é baixar a temperatura para tentar reorganizar o jogo. 

Na disputa pela definição da fórmula que será usada para financiar o Renda Cidadã, Guedes acabou irritando ala importante do Congresso, que não gostou de ver o ministro descartar publicamente plano que previa bancar o novo programa social com dinheiro do Fundo de Desenvolvimento da Educação Básica (Fundeb) e dos precatórios.

Por isso o esforço de retomar as conversas no Parlamento e definir, por lá, novas opções de financiamento do Renda Cidadã.