'Ustra respeitava direitos humanos', diz Mourão sobre condenado por tortura

Vice-presidente concedeu entrevista à TV pública alemã

Da CNN, em São Paulo
09 de outubro de 2020 às 17:55 | Atualizado 09 de outubro de 2020 às 18:23

O vice-presidente Hamilton Mourão afirmou, em entrevista ao programa Zona de Conflito, da Deutsche Welle, a TV pública alemã, que o coronel Carlos Alberto Brilhante Ustra foi "um homem de honra que respeitava os direitos humanos de seus subordinados".

"O que posso dizer sobre o homem Carlos Alberto Brilhante Ustra, ele foi comandante no final dos anos 70 do século passado, e era um homem de honra e um homem que respeitava os direitos humanos de seus subordinados", falou o vice-presidente.

Assista e leia também:

Campanha lembra vítimas de desaparecimento forçado durante ditadura militar

Regina Duarte é processada por fazer apologia à ditadura durante entrevista

E continuou: "Então, muitas das coisas que as pessoas falam dele, eu posso te contar, porque eu tinha uma amizade muito próxima com esse homem, isso não é verdade".

Ustra foi o primeiro militar condenado pela Justiça Brasileira pela prática de tortura durante a ditadura. 

De acordo com relatório da Comissão Nacional da Verdade (CNV), que apurou violações contra os direitos humanos entre 1946 e 1988 – período maior do que o da ditadura militar (1964-1988) –, 434 pessoas desapareceram ou foram mortas no Brasil por motivos políticos. A comissão permaneceu ativa de maio de 2012 a dezembro de 2014. 

(Edição: Sinara Peixoto)