Indicado para TCU, ministro Jorge Oliveira só deve deixar Planalto no fim do ano

De acordo com aliados e pessoas próximas a Oliveira, o ministro pretende fazer uma ‘transição com calma’

Por Igor Gadelha, CNN  
20 de outubro de 2020 às 09:44

Embora sua indicação para o Tribunal de Contas da União (TCU) seja votada nesta semana pelo Senado, Jorge Oliveira só deve deixar o cargo de ministro da Secretaria-Geral da Presidência no final do ano.

De acordo com aliados e pessoas próximas a Oliveira, o ministro pretende fazer uma “transição com calma” da Secretaria-Geral, pasta que funciona dentro do Palácio do Planalto.

Leia também:
Indicado ao TCU, Jorge Oliveira terá sabatina presencial no Senado

O ministro da Secretaria-Geral da Presidência da República, Jorge Oliveira
Foto: Marcello Casal Jr. - 25.ago.2020 / Agência Brasil

O mais cotado para suceder Oliveira no ministério é o almirante Flávio Rocha, atual secretário de Assuntos Estratégicos da Presidência e um dos principais conselheiros do presidente Jair Bolsonaro.
Oliveira também acumula o posto de subchefe para Assuntos Jurídicos do Planalto. Neste caso, o mais cotado para substitui-lo é Pedro César de Sousa, atual chefe de gabinete de Bolsonaro.

A sabatina de Oliveira está marcada para esta terça-feira (20) na Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) do Senado. A expectativa é de que a indicação seja submetida ao plenário da Casa nesta quarta-feira (21).


Se aprovado, Oliveira só poderá assumir de fato como ministro do TCU em janeiro de 2021. O atual titular da vaga, ministro José Múcio, só se aposentará em 31 de dezembro deste ano.