Pastor Sargento Isidório promete manter auxílio às famílias carentes de Salvador

Candidato do Avante, que aparece em segundo nas pesquisas, disse que continuará com ajuda de R$ 150 a R$ 200 no pós-pandemia e tem equipe estudando viabilidade

Murillo Ferrari, da CNN, em São Paulo
21 de outubro de 2020 às 09:28

O candidato do Avante à prefeitura de Salvador, Pastor Sargento Isidório, afirmou nesta quarta-feira (21), em sabatina à CNN, que vai continuar pagando um auxílio para moradores da cidade em 2021, se for eleito para comandar a cidade.

“Vamos continuar pagando de R$ 150 a R$ 200 para as pessoas. Já tenho uma equipe técnica dirigida por tributaristas analisando a viabilidade financeira para a gente continuar socorrendo essas famílias”, disse o candidato.

Ele afirmou que prefeito precisa “não roubar, não deixar roubar e não deixar ter desperdício” e que, com essa postura, vai ter dinheiro para continuar pagando o auxílio municipal para famílias carentes.

Questionado sobre como pretende melhorar a segurança na capital baiana, Isidório disse discordar da ideia de que o tema deve ser responsabilidade do estado. Ele prometeu fortalecer a Guarda Municipal da cidade e envolver as prefeituras-bairro no acolhimento de pessoas.

Assista e leia também:
RealTime Big Data: Bruno Reis lidera com 41% em Salvador
Quem são os candidatos a prefeito de Salvador nas eleições de 2020?
Entenda o que fazem os prefeitos e quanto eles ganham no Brasil

“Como prefeito, vamos dar as mãos às forças [policiais] para trabalhar e diminuir o derramamento de sangue do tráfico de drogas, que é quem comanda não só Salvador e a Bahia, mas o Brasil todo”, disse.

“Até porque tem muita gente sendo chamada de traficante com duas, três pedras de crack na mochila. A gente precisa procurar os poderosos, que estão nos helicópteros e nos aviões com cocaína.”

Ao ser questionado se era mais próximo do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) ou do governador da Bahia, Rui Costa (PT), o candidato evitou uma resposta direta e disse que sua campanha “sempre será próxima ao povo”.

“Todo radicalismo é ruim. Eu quero ir à frente, com o povo. Tenho de ser amigo de Bolsonaro, amigo do governador. Em uma cidade tão sofrida como Salvador, tão carente com 60% das pessoas sofrendo por causa da pandemia, como eu posso brigar seja com o governador Rui Costa, seja com o presidente?”, afirmou.

Pastor Sargento Isidório (Avante), candidato a prefeito de Salvador, fala à CNN
Foto: 21.out.20/ CNN

Ainda sobre a questão de apoio ou não ao presidente Bolsonaro, Isidório afirmou que concorda com o presidente nas questões relacionadas à família tradicional porque também é conservador.

“Então tem pauta do Bolsonaro que eu gosto, que sou aliado, e tem coisa que não gosto, como por exemplo desrespeitar jornalista, falar em dar murro. A imprensa é um poder muito importante para a democracia”, disse.

“A gente sabe que tem hora que é pressionado, tem as cascas de banana, mas é a vida. Quem entra na vida política tem tudo pago pelo povo.”

Apoio ao Carnaval

Por fim, ao ser questionado se a sua convicção religiosa poderia representar alguma interferência ao apoio da prefeitura ao Carnaval de Salvador, o candidato fez questão de negar categoricamente.

“De forma nenhuma. Não sou candidato a pastor, padre, pai de santo, nem espírita. Sou candidato a prefeito. O Carnaval é uma festa que gera emprego. Todo carnaval eu estou no circuito, andando e dizendo: ‘não use drogas’, ‘diminua os excessos’, ‘cuidado com a violência’ ou ‘sua família te espera’”, explicou.

“As festas tradicionais são [parte da] cultura. É obrigação minha como prefeito dar todo o apoio necessário porque o povo não está dentro da igreja. Estou indo administrar uma cidade muito cultural, com uma juventude muito criativa.”

(Edição: André Rigue)