Conexão CNN: pesquisas mostram volatilidade de eleitores em São Paulo e Rio

Nas duas maiores capitais do país um candidato aparece na liderança isolada e outros brigam por vaga no segundo turno; voto útil pode definir disputas

Da CNN
12 de novembro de 2020 às 10:04 | Atualizado 12 de novembro de 2020 às 10:07

No quadro Conexão CNN desta quinta-feira (12), na CNN Rádio, Thais Arbex, Leandro Resende e Iuri Pitta analisam as últimas pesquisas Datafolha para as eleições em São Paulo e no Rio de Janeiro, no próximo domingo (15).

As duas cidades devem ter segundo turno, mas ainda não está definido entre quais candidatos. “Um ponto que os próprios pesquisadores do Datafolha ainda apontam é que ainda há alguma volatilidade entre os eleitores”, disse Pitta.

“E os candidatos fazem um paralelo com as últimas eleições, com uma decisão de voto muito em cima da hora por parte do eleitor e isso é difícil de ser captado pelas próprias pesquisas”, completou.

Ele comentou sobre o cenário em São Paulo, onde Bruno Covas (PSDB) está praticamente garantido no segundo turno, mas a indefinição da segunda vaga faz com que outros três candidatos tenham esperanças.

Assista e leia também:
Datafolha em SP: Covas, 32%; Boulos, 16%; Russomanno, 14%; França, 12%
Datafolha no RJ: Paes lidera com 34%; Crivella, 14%; Martha, 11%; Benedita, 8%
Daniela Lima: Partidos apostam em engajamento de eleitores até o último instante

“Não só tirando eleitores um do outro, mas também tentando pegar esse eleitor indeciso. É muito provável que a gente veja algumas oscilações importantes até a véspera da eleição.”

Resende afirmou que o mesmo cenário foi apontado pela pesquisa no Rio de Janeiro. “As campanhas trabalham com dois tipos de voto útil: um à esquerda e um à direita.

"Se acredita que, lá na frente, as campanhas de esquerda vão optar por um caminho só para tentar colocar uma candidatura de centro-esquerda no segundo turno e a aposta seria sobre a candidata Martha Rocha (PDT)”, disse.

Já no caso do voto útil da centro-direita, o favorecido seria o atual prefeito Marcelo Crivella (Republicanos). 

“Ele está numericamente acima de Rocha e de Benedita da Silva (PT), mas conta com uma rejeição muito alta por parte dos cariocas, mais de 60%”, lembrou.

Arbex comentou que a taxa de abstenção por causa da pandemia vai ser o dado mais interessante na eleição municipal deste ano. 

“Tanto que o presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), ministro Luís Roberto Barroso, tem falado muito da importância do voto porque há sim um sentimento na sociedade de não ir às urnas”, disse.

Leandro Resende, Thais Arbex e Iuri Pitta apresentam o Conexão CNN, na CNN Rádio
Foto: CNN Brasil