Bolsonaro: Forças Armadas devem se manter apartidárias

Em tweet, presidente diz concordar com comandante do exército, Edson Leal Pujol, em sua fala sobre o exército não ter partido

Da CNN, em São Paulo
14 de novembro de 2020 às 12:19 | Atualizado 14 de novembro de 2020 às 12:46

Através de sua conta do Twitter, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) disse concordar com o comandante do exército Edson Leal Pujol de que as Forças Armadas devem se manter apartidárias.

Bolsonaro publicou: “A afirmação do General Edson Leal Pujol, escolhido por mim para comandar o Exército, de que militares não querem fazer parte da política, vem exatamente ao encontro do que eu penso sobre o papel das Forças Armadas no cenário nacional”.

Leia e assista também: 
Waack: o chefe continua mudo e calado sobre resultado das eleições americanas
Mourão: empresas serão cobradas por melhorias ambientais, sociais e de governança
Ministério da Justiça pede análise da PF sobre apagão no Amapá

A declaração dos militares aconteceu dias depois de uma fala do presidente em evento no Palácio do Planalto.

Na ocasião, ele disse, em relação às eleições dos Estados Unidos, que “quando acabasse a saliva da diplomacia, era preciso ter pólvora”. Isso mobilizou a população que acusou Bolsonaro de fazer uso político das Forças Armadas. 

Após a repercussão, Edson Leal Pujol veio a público dizer que o exército é apartidário. “Nosso partido é o Brasil. Independente de mudança ou permanência de determinado governo".

Neste sábado (14), o Ministério da Defesa soltou uma nota sobre as especulações em torno do caso. Em nome do Ministro de Estado da Defesa e dos comandantes da marinha, aeronáutica e exértico, o documento buscou esclarecer que a característica fundamental das Forças Armadas é ser apartada da política partidária e que isso está previsto em texto constitucional. 

(Publicado por André Jankavski)