'Inovação', diz Anvisa sobre análise mais ágil de vacinas contra Covid-19

Procedimento de análise de vacinas mais ágil passou a ser uma norma da agência reguladora a partir desta quarta (18)

Da CNN, em São Paulo
18 de novembro de 2020 às 19:07

O gerente-geral de medicamentos da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária), Gustavo Mendes, afirmou à CNN que a nova medida para agilizar o processo de liberação das vacinas contra a Covid-19 é uma "inovação administrativa". O procedimento de análise de vacinas mais ágil passou a ser uma norma da agência reguladora a partir desta quarta-feira (18). 

“Foi uma inovação administrativa para permitir que, ao invés de esperar com que os documentos sejam concluídos, a gente poder receber esses dados à medida que forem gerados”, explicou.

“E acreditamos que vai trazer agilidade porque vamos conseguir esclarecer as nossas dúvidas antes de ter todas as informações compiladas”.

Assista e leia também:

Mundo bate recorde de mortes diárias por Covid-19 desde o início da pandemia

Coronavac é segura e induz resposta imune, aponta estudo publicado na Lancet

A vacina pode ser uma grande aliada na luta contra a Covid-19
Foto: Freepik

A regulamentação foi aprovada por unanimidade na Diretoria Colegiada na terça (17) e publicada hoje no Diário Oficial da União.

A Anvisa argumentou, em nota, que "a medida possibilitará acelerar a disponibilização à população brasileira de vacinas contra o novo coronavírus, desde que demonstradas qualidade, segurança e eficácia conforme os requerimentos técnicos e regulatórios vigentes".

"As vacinas que tiverem a análise iniciada pelo procedimento de submissão contínua poderão submeter pedido de registro formal após a conclusão da análise do último aditamento protocolado", conclui a nota da agência.

O método de submissão contínua só pode ser adotado, de acordo com a decisão colegiada, para as vacinas contra o novo coronavírus e por empresas que já estejam na fase três dos testes, que englobam os estudos clínicos em humanos.

(Com informações de Natália André e Rudá Moreira, da CNN, em Brasília)

(Publicada por Sinara Peixoto)