Globo cancela último debate em SP após Boulos testar positivo para Covid-19

Candidato do PSOL está assintomático; emissora afirma que cancelamento em caso de problema de saúde de um dos candidatos estava previsto em regras

Guilherme Venaglia, da CNN, em São Paulo
27 de novembro de 2020 às 17:42 | Atualizado 27 de novembro de 2020 às 19:13
Guilherme Boulos (PSOL) e Bruno Covas (PSDB) são adversários no 2º turno pela prefeitura de São Paulo
Foto: Divulgação/Twitter e Estadão Conteúdo

A TV Globo anunciou nesta sexta-feira (27) o cancelamento do debate entre Bruno Covas (PSDB) e Guilherme Boulos (PSOL), candidatos a prefeito de São Paulo, que estava previsto para a noite de hoje.

A decisão foi adotada após Boulos testar positivo para a Covid-19. O candidato do PSOL anunciou o diagnóstico na tarde desta sexta. Segundo a sua assessoria, Guilherme Boulos está assintomático e se submeteu ao teste RT-PCR após uma aliada, a deputada Sâmia Bonfim (PSOL-SP), testar positivo.

Em nota oficial, a emissora afirma que o cancelamento do debate em caso de problema de saúde de um dos candidatos estava previsto nas regras acordadas com ambas as campanhas. 

Assista e leia também:

Guilherme Boulos testa positivo para Covid-19

O calendário eleitoral para o segundo turno define que a antevéspera da eleição é o último dia para a realização de debates entre candidatos. Este, portanto, seria o último encontro previsto para essa campanha eleitoral.

Apesar do cancelamento em São Paulo, a emissora vai manter os debates entre os candidatos Eduardo Paes (DEM) e Marcelo Crivella (Republicanos) no Rio de Janeiro e entre os candidatos João Campos (PSB) e Marília Arraes (PT) no Recife.

Em segunda nota divulgada, a TV Globo afirmou que "a alternativa de fazer um debate de forma remota não é possível". "Os candidatos precisam ser tratados de forma equânime e ter as mesmas condições, e o público precisa perceber isso", diz o posicionamento.

"A transmissão pode cair num momento importante do debate, e a Globo ser injustamente acusada de ser a culpada ou, da mesma forma, e também de forma injusta, o candidato ou sua campanha serem acusados de terem provocado a interrupção para fugir de um momento difícil", prossegue o canal.

A emissora citou trecho das regras do debate que, diz, prevê o seguinte: "O debate eleitoral só será realizado de forma presencial, não se admitindo, em nenhuma circunstância, o uso de meios virtuais para realizá-lo.”