Senado vota por retomar lista de personalidades negras, com Gil, Marina e outros

Relação com artistas e lideranças políticas foi derrubada pelo presidente da Fundação Palmares, Sérgio Camargo; projeto segue para a Câmara

Larissa Rodrigues, da CNN, em Brasília
09 de dezembro de 2020 às 20:45
O cantor e compositor Gilberto Gil
Foto: Reprodução/Twitter @gilbertogil

O Senado Federal aprovou, por 69 votos a três, um projeto de decreto legislativo (PDL) que visa suspender uma portaria da Fundação Palmares que excluiu personalidades negras do rol de homenageados pela instituição.

Um dos excluídos foi o senador Paulo Paim (PT-RS), o que revoltou os parlamentares. A matéria segue agora para a apreciação da Câmara dos Deputados, onde precisa ser aprovada para entrar em vigor.

Relator do texto, o senador Fabiano Contarato (Rede-ES) se emocionou ao ler seu parecer que citava os 27 nomes excluídos da lista. Entre eles, além de Paim, estão os cantores Elza Soares, Milton Nascimento, Gilberto Gil, Martinho da Vila, a escritora Conceição Evaristo e a ex-ministra Marina Silva. 

Na justificativa de seu relatório, Contarato afirma que “a conduta do Sr. Sérgio Nascimento de Camargo, presidente da Fundação Cultural Palmares, órgão ligado ao Ministério do Turismo, tem causado constantes objeções e questionamentos por parte da mídia e da sociedade civil, em especial das organizações e lideranças do movimento negro brasileiro”.

Durante a apreciação do projeto, o senador Flávio Bolsonaro (Republicanos/RJ) pediu a palavra para criticar a votação da matéria. “Quero declarar meu voto ‘não’. É óbvio que todos aqui somos contra o racismo. O pano de fundo dessa discussão não é a cor da pele, é ideológica. Quantos negros conservadores e de direita estão nessa lista? Não tem, porque esse critério sempre foi político/ideológico”, afirmou o parlamentar.

Já o senador Paulo Paim, retirado da lista de personalidades negras, comemorou a apresentação do PDL. “Eu fui um dos fundadores da Palmares. Agora, retiraram o nome de abolicionistas. Essa portaria veio para se vingar da abolição, para negar a luta de séculos do povo negro. A luta contra o racismo é uma luta de todos nós. Vida longa às políticas humanitárias”, completou.

A portaria

A portaria da Fundação Palmares foi publicada no mês passado e os nomes dos excluídos divulgados no início de dezembro. À época, nas redes sociais, Sérgio Camargo argumentou que “a lista de negros notáveis passou a prestar homenagens póstumas”. E completou: “Alguns podem voltar um dia, não todos”. 

Em seu ato, o presidente da fundação também acrescentou outras oito personalidades negras na lista, sendo: Jacira de Almeida Sampaio, Mussum, Luiz Melodia, Pixinguinha, Luiz Paulo Costa Silva (conhecido como "Negão do BOPE"), Wilson Simonal, Marcílio Luiz Pinto e João Carlos de Oliveira, o João do Pulo.