PGR inclui suposto relatório da Abin para Flávio Bolsonaro em investigação

Agente da Agência Brasileira de Inteligência teria colaborado com a defesa de Flávio Bolsonaro na apuração que já tramitava na PGR sobre o assunto

Da CNN, em Brasília
12 de dezembro de 2020 às 12:29 | Atualizado 12 de dezembro de 2020 às 12:31

A Procuradoria-Geral da República incluiu as novas informações sobre a suposta colaboração da Agência Brasileira de Inteligência (Abin) com a defesa de Flávio Bolsonaro na apuração que já tramitava na PGR sobre o assunto.

Em outubro, quando veio à tona um encontro do presidente Jair Bolsonaro, o ministro do Gabinete de Segurança Institucional, Augusto Heleno e advogados de Flávio, a PGR abriu uma apuração preliminar. Na ocasião, o GSI  confirmou o encontro mas negou que haveria atuação do gabinete no caso. Reportagem da revista Época desta sexta-feira afirma que, ao contrário do que o governo informou, houve a produção de relatórios, um deles intitulado "Defender FB no caso Alerj demonstrando a nulidade processual resultante de acessos imotivados aos dados fiscais de FB", que seriam as iniciais de Flávio Bolsonaro.

A Abin reafirma que não houve a produção de relatórios.

Em nota, a PGR diz que "as novas informações divulgadas sobre o caso foram juntadas à Notícia de Fato já instaurada na PGR. Não há informação disponível sobre o andamento da Notícia de Fato por se tratar de procedimento interno sigiloso. Sobre os fatos novos, a PGR deverá receber representações já anunciadas por parlamentares em redes sociais, irá analisá-las e se manifestar oportunamente".