Me sinto exposta e violada, diz deputada vítima de abuso na Alesp

Deputada Isa Penna (PSOL) afirma à CNN que situações como a registrada são enfrentadas de forma recorrente por mulheres eleitas para cargos públicos

Da CNN, em São Paulo
17 de dezembro de 2020 às 21:19 | Atualizado 17 de dezembro de 2020 às 21:49

 

A deputada estadual Isa Penna (PSOL) afirmou nesta quinta-feira (17) à CNN que se sente "exposta e violada" após o episódio ocorrido na Assembleia Legislativa de São Paulo (Alesp), quando o deputado Fernando Cury (Cidadania) foi filmado assediando a parlamentar ao abraçá-la por trás e tocar nos seios dela.

"Eu me sinto absolutamente exposta, eu me sinto absolutamente violada em diversos sentidos. Seja pelas minhas prerrogativas enquanto mulher eleita, pela prerrogativa das minhas funções, exercendo meu trabalho, exercendo meu papel ali, discutindo o orçamento. Eu me sinto enojada", afirmou a deputada, entrevista pela âncora da CNN Monalisa Perrone.

A parlamentar registrou boletim de ocorrência a respeito do fato, acusando o colega do crime de importunação sexual, que, de acordo com o artigo 215-A do Código Penal, significa "praticar contra alguém e sem a sua anuência ato libidinoso com o objetivo de satisfazer a própria lascívia ou a de terceiro".

"O assédio é uma constante nos espaços políticos de poder", disse Isa Penna, rememorando a sua vivência também como vereadora de São Paulo, quando ocupou mandato parlamentar enquanto suplente.

Assista e leia também:

Com pandemia, 1 milhão de mulheres deixaram de fazer exame de mamografia em 2020

'Pink tax': As mulheres gastam mais do que os homens ou apenas pagam mais caro?

Salários despencam na pandemia e mulheres são as mais afetadas, aponta relatório

A deputada do PSOL afirma que essa banalização de situações como a que foi gravada é perceptível por características da própria cena, que foi gravada durante uma sessão do plenário da Assembleia Legislativa de São Paulo (Alesp) e na frente do presidente da Casa, o deputado estadual Cauê Macris (PSDB).

"Tinham as câmeras, tinha o presidente. E ele se sentiu livre, se sentiu à vontade", afirma Isa Penna. "Ele não considera as mulheres tão dignas de respeito quanto ele, enquanto ser humano. Ainda que ele não tenha total consciência disso, ele deu uma demonstração clara da onde ele vem, da onde vem essa formação". 

A parlamentar defende uma reação política ao episódio, mas diz ter pouca esperança de que isso se concretize. "Nunca eu vi um deputado sequer sofrer uma sanção", afirma. "O espaço do parlamento é violento, o assédio é cotidiano".

Veja a nota de Fernando Cury:

"A respeito dos fatos citados, esclareço que em nenhum momento houve o sentido de desrespeitar a colega deputada Isa Penna durante esse gesto.

De fato, me aproximo dela para participar da conversa junto ao presidente da Casa, sem incitação ou conotação de tal cunho relacionado à violência contra a mulher.

No momento, ao perceber a reação da deputada Isa Penna, fiz questão de pedir desculpas para evitar qualquer mal entendido.

Logo no começo do vídeo divulgado, se exibido na íntegra, é possível ver que estou “abraçado” a outro colega deputado, demonstrando assim que meu comportamento em nada tem a ver com a denúncia.

No próprio plenário, já me pronunciei sobre o caso e fico à disposição para qualquer esclarecimento.

Sou casado, pai de dois filhos e reconheço a importância de um bom exemplo dentro de casa.

Recrimino todo tipo de abuso e violência contra a mulher, e reforço meu respeito e luta para nessa questão de grande relevância e destaque para nossa sociedade.

Fernando Cury, deputado estadual"

Veja a nota do Cidadania:

"Nota de esclarecimento

“Com relação ao episódio envolvendo o deputado estadual Fernando Cury, o Cidadania, analisando as imagens, exige as devidas explicações do parlamentar e encaminha o caso ao nosso Conselho de Ética, para que, ouvido o representado, sejam tomadas providências cabíveis e efetivas.

A legenda não tolera qualquer forma de assédio e atuará fortemente para que medidas definitivas sejam adotadas. Temos uma história de luta em defesa dos direitos da mulher, que nenhuma pessoa pode macular. 

Brasília, 17 de dezembro de 2020

Arnaldo Jardim - presidente estadual do Cidadania de São Paulo

Roberto Freire - presidente nacional do Cidadania"

(Publicado por Guilherme Venaglia)