Nomeação interina para Secretaria-Geral abre brecha para reforma ministerial

Caio Junqueira
Por Caio Junqueira, CNN  
31 de dezembro de 2020 às 17:30
Presidente Jair Bolsonaro nomeou seu ex-chefe de gabinete como ministro interino da Secretaria-Geral da Presidência
Foto: Adriano Machado - 23.out.2020 / Reuters


O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) nomeou nesta quinta-feira (31) seu ex-chefe de gabinete Pedro Cesar Nunes Ferreira Marques de Sousa como ministro interino da Secretaria-Geral da Presidência, que passa agora a ocupa o lugar de Jorge de Oliveira, que foi nomeado para o Tribunal de Contas da União (TCU).

Pedro é advogado e major reformado e uma das pessoas mais próximas ao presidente.

Leia também:

País está no limite do endividamento e deve voltar à normalidade, diz Bolsonaro

Bolsonaro vetará venda de terras para estrangeiros se aprovada pelo Congresso

O posto que assume por sua vez é um dos mais importantes nas funções do palácio do Planalto, pois cuida da administração do palácio e também tem no seu guarda-chuva a Secretaria de Assuntos Jurídicos, a SAJ, última revisora de todos os atos legais do presidente antes de sua publicação no Diário oficial da União.

Destaques da CNN Brasil Business:

Ouro é o investimento que teve maior rentabilidade em 2020

Quais as chances de ganhar sozinho na Mega-Sena da Virada?

Brasil tem a sexta moeda que mais perdeu valor frente ao dólar em 2020

Com a nomeação interina, o presidente deixa uma brecha para novas mudanças em seu governo após a eleição para a sucessão no comando da Câmara e do Senado no dia 1º de fevereiro.