Com bancada rachada, PT decide apoiar Baleia Rossi a presidente da Câmara

Prevaleceu o argumento de que o partido deveria votar no candidato do MDB para evitar a eleição de Arthur Lira (PP-AL), aliado a Bolsonaro

Da CNN, em São Paulo*
04 de janeiro de 2021 às 17:14 | Atualizado 04 de janeiro de 2021 às 18:42

 

O PT decidiu nesta segunda-feira (4) apoiar a candidatura do deputado federal Baleia Rossi (MDB-SP) a presidente da Câmara dos Deputados. Baleia é o candidato apoiado pelo atual presidente da Casa, Rodrigo Maia (DEM-RJ).

O apoio ao deputado do MDB esteve longe, no entanto, de ser consensual. A adesão a Rossi foi aprovada com 28 votos, contra 23 deputados petistas que defenderam uma candidatura própria ao comando da Câmara.

O deputado federal Baleia Rossi (MDB-SP)
O deputado federal Baleia Rossi (MDB-SP)
Foto: Michel Jesus - 8.abr.2019/Câmara dos Deputados


O principal argumento dos parlamentares que defendiam a adesão a Rossi por considerar que o aliado de Maia é o único capaz de reunir os votos para derrotar Arthur Lira (PP-AL), candidato apoiado pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido).

A eleição para presidente da Câmara, no entanto, é secreta, o que dá a Rossi poucas garantias de que ele poderá contar com os importantes 52 votos do PT.

Assista e leia também:

Racha em partidos da oposição persiste mesmo após candidatura de Baleia Rossi

Baleia Rossi quer lançar candidatura na quarta e começar viagens pelo Ceará

Do outro lado, argumenta-se que Baleia Rossi é o presidente nacional do MDB e aliado do ex-presidente Michel Temer (MDB). Portanto, um nome ligado intrinsecamente ao impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff (PT), que os petistas classificam como "golpe".

A oposição à esquerda vem sendo considerada como o fiel da balança na disputa entre Rossi e Lira. Os cerca de 130 deputados de partidos como PT, PDT, PSB, PSOL, PCdoB e Rede são insuficientes para eleger um presidente da Câmara, mas viram cruciais quando os partidos de centro e de direita se dividem entre os dois candidatos.

Com informações do âncora da CNN Caio Junqueira e do analista Iuri Pitta