Garcia: Pessoas têm dificuldade de entender a Constituição nos dias de hoje

No quadro Liberdade de Opinião desta sexta-feira (26), o jornalista Alexandre Garcia falou sobre a PEC da Imunidade e a PEC Emergencial

Da CNN, em São Paulo
26 de fevereiro de 2021 às 13:23

No quadro Liberdade de Opinião desta sexta-feira (26), o jornalista Alexandre Garcia falou sobre a PEC da Imunidade e a PEC Emergencial

“A Câmara está com a ressaca, digamos, de uma ciclotimia. Em um dia, 364 [deputados] aprovando uma ilegalidade e um, dois dias depois, 304 votos para se fortalecerem, senão mais deputados serão presos. Agora, não precisa mexer no artigo 53 que diz que deputados e senadores são invioláveis por votos, palavras e opiniões. Está na Constituição desde 1824. Está muito claro. Só que nos dias de hoje, de trevas do analfabetismo, há dificuldade de ler a Constituição, de entender o que está escrito. Então tem uma prisão ilegal e os deputados estão apressados em acrescentar reforço para o artigo 53. Mas o único reforço é aprender a ler”, avaliou Garcia.

“Quanto à PEC Emergencial, eu acho que as pessoas não se perguntaram ainda se essa PEC cria riqueza para compensar aqueles que perderam a sua renda. Não, não cria. Mas eu conto porque eu vivi esse período em que o governo imprimia dinheiro. O governo precisa pagar alguma coisa, não tem dinheiro, imprime dinheiro, digamos que fosse um auxílio emergencial nos anos 50. Aí o dinheiro que está no nosso bolso perde o valor porque com mais dinheiro circulando, menos valor tem cada nota. Isso chama inflação. E para evitar a inflação, passou-se a adotar o endividamento. O governo emite papéis e joga no mercado. O governo tendo confiança e demonstrando que vai pagar, aumenta o endividamento. Mas há limites para isso porque desequilibra as contas públicas. Daí a razão da PEC Emergencial.”

O Liberdade de Opinião tem a participação de Sidney Rezende e Alexandre Garcia. O quadro vai ao ar diariamente na CNN.

Alexandre Garcia no quadro Liberdade de Opinião
Foto: CNN (26.fev.2021)

As opiniões expressas nesta publicação não refletem, necessariamente, o posicionamento da CNN Brasil ou seus funcionários.

(Publicado por: André Rigue)