Waack: Crise se espalha por várias áreas e país não consegue ter previsibilidade

Efeitos são sentidos na saúde, na economia e na política, colocando o Brasil em uma situação muito precária

Da CNN, em São Paulo
19 de março de 2021 às 09:22

No quadro CNN Poder desta sexta-feira (19), na CNN Rádio, William Waack afirma que a influência da crise do novo coronavírus se espalha por várias áreas do país, o que impede o Brasil de ter previsibilidade.

“Veja como as coisas trabalham juntas e uma influencia a outra: estamos vendo o agravamento severo da pandemia, com recorde de número de mortos, gente morrendo nas filas esperando atendimento. Estamos diante de alertas gravíssimos de falta de medicamentos para aqueles leitos na UTI que já estão faltando, embora o presidente duvide disso”, disse Waack.

“Temos, na economia, um ambiente ruim. A demissão do presidente do Banco do Brasil é igual à do presidente da Petrobras. O presidente da República não gostou da cara do fulano, se irritou com alguma coisa, achou que havia uma conspiração na maneira como ele tocava o fechamento de agências do banco e defenestrou o cara. O mercado olha para isso com enorme desconfiança”, completou.

A terceira área afetada pela crise, segundo o jornalista, é a política. “E na política piorou mais ainda. A morte do [senador] Major Olimpio tem um conteúdo emocional muito forte. As repercussões de todos os lados dão conta de um estremecimento na relação entre o executivo e o legislativo”, destacou.

Sem contar o fato de o presidente ter decidido recorrer ao Supremo Tribunal Federal (STF) para contestar a autoridade de entes da federação, como estados e municípios, sobre a adoção de medidas restritivas que os especialistas consideram essencial.

“O caminhar da crise está nos colocando em uma situação muito precária e não parece, até aqui, que vai chegar vacina no tempo de acalmar isto para que a gente tenha um pouquinho de previsibilidade.”