Ernesto Araújo pede demissão do cargo de ministro das Relações Exteriores

Pressionado, principalmente por parlamentares, chanceler colocou o cargo à disposição do presidente Jair Bolsonaro

Por Igor Gadelha, CNN  
29 de março de 2021 às 12:26 | Atualizado 29 de março de 2021 às 17:48

O ministro de Relações Exteriores, Ernesto Araújo, pediu demissão do cargo durante um encontro com o presidente Jair Bolsonaro nesta segunda-feira (29). Ernesto Araújo vinha sendo pressionado, principalmente por parlamentares, que o criticaram por falhas nas relações diplomáticas que teriam prejudicado a aquisição de vacinas contra a Covid-19.

No fim de semana, o chanceler se envolveu em um novo embate com parlamentares, que complicou ainda mais a situação dele no Itamaraty. Em mensagem postada no Twitter, ele afirmou que a senadora Kátia Abreu (PP-TO), presidente da Comissão de Relações Exteriores do Senado, cobrou o apoio dele à tecnologia chinesa do 5G, indicando que este era o real interesse dos parlamentares, e não as vacinas.

A afirmação deixou senadores revoltados. Kátia Abreu classificou o ministro como “a face de um marginal”, que viveria “à margem da boa diplomacia, à margem da verdade dos fatos, à margem do equilíbrio e à margem do respeito às instituições”.

Ernesto Araújo
Ernesto Araújo, que pediu demissão do cargo de ministro das Relações Exteriores
Foto: CNN (22.set.2020)

Nesta segunda, um grupo de senadores se preparava para apresentar um pedido de impeachment de Ernesto Araújo.

No fim da manhã, Araújo se reuniu com secretários no Itamaraty. Em seguida, foi ao Palácio do Planalto e se reuniu com o presidente, com o deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) e com Filipe Martins, assessor especial para assuntos internacionais da Presidência. O chanceler afirmou que não queria ser um problema para o presidente. Os dois devem voltar a se reunir ainda nesta segunda.

Auxiliares presidenciais ressaltam que Bolsonaro ainda não bateu martelo se aceitará o pedido de demissão de Ernesto. A expectativa, porém, é de que Bolsonaro aceite.

Cotados ao cargo

Já há alguns nomes sendo cotados para o cargo. Da ala militar, o almirante Flávio Rocha. Do Itamaraty, o embaixador Carlos Alberto Franco França (ex-chefe do Cerimonial de Bolsonaro); o embaixador Luiz Fernando Serra (embaixador do Brasil na França); e o embaixador George Firmeza (assessor do almirante Flávio Rocha).