Novo chanceler busca distensionar relação com Senado

Carlos Alberto França conta com o apoio do líder do governo no Senado, Fernando Bezerra (MDB-PE), para articular encontros com senadores

Por Igor Gadelha, CNN  
31 de março de 2021 às 10:06 | Atualizado 31 de março de 2021 às 13:27

Nomeado novo ministro das Relações Exteriores, o embaixador Carlos Alberto Franco França já deu início, nos bastidores, a um movimento para tentar distensionar a relação com senadores, que fizeram forte pressão pela saída de Ernesto Araújo.

Na articulação, conta com a ajuda do líder do governo no Senado, Fernando Bezerra (MDB-PE), que tem procurado colegas para marcar encontros com o novo chanceler. Uma das primeiras foi Kátia Abreu (PP-TO), presidente da Comissão de Relações Exteriores da Casa.

"Fernando Bezerra me pediu encontro e me coloquei à disposição. Iremos agendar", afirmou à CNN a senadora, uma das que mais pressionou pela saída de Ernesto e que foi acusada pelo ex-ministro no Twitter de ter feito essa pressão por causa do leilão 5G, e não por causa das vacinas.

À CNN, o líder do governo no Senado confirmou a articulação para ajudar o novo chanceler na relação com os senadores. "O encontro de Kátia com o novo chanceler deverá ser na próxima quarta-feira", informou Bezerra.

Mudança suave

No Palácio do Planalto, auxiliares de Jair Bolsonaro dizem que o presidente tenta evitar que a troca no comando do Itamaraty seja vista como uma “ruptura” na política externa brasileira. Segundo assessores, a ideia é passar a mensagem de uma “mudança suave”.

Diplomata de carreira desde a década de 1990, França é alinhado a Bolsonaro, mas, de acordo com auxiliares presidenciais, tem perfil “mais moderado” e não estaria disposto a partir para o confronto ideológico como Ernesto Araújo.

Carlos Alberto França
Foto: Reprodução/Youtube

O novo chanceler foi apresentado ao presidente pelo agora ex-ministro das Relações Exteriores, de quem é contemporâneo de Itamaraty. A principal experiência de França é na coordenação de cerimoniais – ele foi chefe do Cerimonial de Bolsonaro de 2019 a 2020.