Brasil prevê convocar Força Nacional na Amazônia em pedido de US$ 1 bi aos EUA

De acordo com a proposta, a que a CNN teve acesso, o efetivo de 3.500 homens se somaria a 1.500 bombeiros e 3.300 brigadistas do IBama e do ICMBio

Thais Arbex
Por Thais Arbex, CNN  
21 de abril de 2021 às 18:26 | Atualizado 21 de abril de 2021 às 19:28

 

O pedido do Brasil de US$ 1 bilhão aos Estados Unidos para combater o desmatamento na Amazônia prevê que parte dos recursos seja usada para bancar dez batalhões da Força Nacional durante um ano. De acordo com a proposta a que a CNN teve acesso, o efetivo de 3.500 homens se somaria a 1.500 bombeiros e 3.300 brigadistas do IBama e do ICMBio.

O plano do ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, será apresentado ao governo norte-americano na Cúpula dos Líderes sobre o Clima, encontro convocado pelo presidente dos EUA, Joe Biden.

 A CNN apurou que a proposta também prevê a contratação e treinamento de 10 mil homens para atuar como guardas-parques em unidades de conservação. A ideia do governo brasileiro é que esses possíveis contratados sejam tirados das atividades ilegais e passem a atuar na fiscalização da floresta.

Ainda de acordo com a proposta, US$ 330 milhões seriam usados para fiscalização e controle. O valor engloba o custo com pessoal, alimentação, hospedagem, além de viaturas e helicópteros. O restante dos recursos seria aplicado ao que tem sido chamado de ‘pagamento por serviços ambientais’. O plano de Salles prevê um incentivo econômico para que as pessoas deixem de atuar em atividades ilegais na Amazônia.

Segundo relatos feitos à CNN, Salles detalhou a proposta no encontro com um grupo de empresários nesta quarta-feira (21). Como mostrou a analista de política Renata Agostini, na reunião, o ministro indicou que o governo vai antecipar o compromisso de redução do desmatamento ilegal para o ano que vem.

Em carta enviada ao presidente do Estados Unidos, Joe Biden, Jair Bolsonaro sinalizou 2030 como a meta do país para acabar com o desmatamento, uma oferta que vinha sendo considerada tímida pelos empresários.

Ricardo Salles, ministro do Meio Ambiente em entrevista para a CNN (30.jul.2020)
Ricardo Salles, ministro do Meio Ambiente em entrevista para a CNN (30.jul.2020)
Foto: CNN Brasil