Omar Aziz confirma acordo para ignorar Justiça e indicar Renan relator da CPI

‘O juiz mandou a decisão para o presidente do Senado, e que eu saiba quem define o relator é o presidente da comissão’, afirmou à CNN o senador do PSD-AM

Por Igor Gadelha, CNN  
27 de abril de 2021 às 08:37 | Atualizado 27 de abril de 2021 às 09:26

Mais cotado para ser eleito presidente da CPI da Covid-19, o senador Omar Aziz (PSD-AM) confirmou à CNN, na manhã desta terça-feira (27), acordo para ignorar a decisão da Justiça Federal de Brasília e manter a indicação de Renan Calheiros (MDB-AL) como relator da comissão.
“Se eu for eleito presidente, vou indicar o Renan. Não vai mudar nada, não. O juiz mandou a decisão para o presidente do Senado, e que eu saiba quem define o relator é o presidente da comissão. E eu não recebi nenhuma decisão, não”, afirmou Aziz.

O parlamentar amazonense confirmou que o acordo foi firmado em um jantar na noite desta segunda-feira (26), em seu apartamento funcional, em Brasília. Como a CNN noticiou ontem, o encontro reuniu ao menos sete dos 11 integrantes titulares da CPI.

Além de Aziz e de Renan, estiveram no jantar os senadores Eduardo Braga (MDB-AM), Otto Alencar (PSD-BA), Tasso Jereissati (PSDB-CE), Humberto Costa (PT-PE) e Randolfe Rodrigues (Rede-AP). Suplente da CPI, Alessandro Vieira (Cidadania-SE) também participou.

A avaliação do grupo foi de que a decisão judicial não se sustenta, pois proíbe a submissão do nome de Renan “à votação” para escolha do relator da CPI. O único cargo que é eleito, porém, é o de presidente da comissão, a quem cabe escolher o relator.

O senador Renan Calheiros (MDB-AL) deve ser indicado como relator da CPI da Covid-19
Foto: Jefferson Rudy/Agência Senado (15.dez.2020)

Depoimentos

Aziz afirmou ainda à CNN que, no encontro, os senadores combinaram que o relator escolhido abrirá um prazo de 24 horas, contado a partir desta terça-feira, para que os demais integrantes da comissão apresentem formalmente sugestões de plano de trabalho.

A ideia é só começar a votar convocações e convites para depoimentos a partir de quarta-feira (28). Segundo Aziz, os primeiros a serem ouvidos serão o atual ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, e os ex-ministros da pasta Luiz Henrique Mandetta, Nelson Teich e Eduardo Pazuello.

Ainda de acordo com o senador amazonense, a lista dos primeiros a serem ouvidos pela CPI tem ainda o presidente da Anvisa, Antônio Barra Torres, e o ex-ministro das Relações Exteriores Ernesto Araújo. O objetivo de Aziz é começar as oitivas dos convidados e convocados ainda nesta semana.