Bolsonaro ouve aliados e se reúne com Sarney um dia após início de CPI

Mesmo sem disputar eleições desde 2015, José Sarney segue sendo considerado um exímio articulador político

Thais Arbex e Bárbara Baião Da CNN, em Brasília
30 de abril de 2021 às 20:01 | Atualizado 30 de abril de 2021 às 20:09
O ex-presidente José Sarney
O ex-presidente José Sarney
Foto: José Cruz/Agência Brasil

Com o governo pressionado pela  CPI da Pandemia, o presidente Jair Bolsonaro decidiu ouvir os apelos de aliados e procurar o ex-presidente José Sarney. O encontro com o cacique do MDB, que presidiu o Senado por quatro vezes, ocorreu na quarta-feira (28), um dia depois de a comissão ter sido instalada e impor uma série de derrotas ao Palácio do Planalto.

A CNN apurou que a condução da Comissão Parlamentar de Inquérito, sob a relatoria do senador Renan Calheiros (MDB-AL), não foi tratada de forma explícita na conversa --que teve como pano de fundo a avaliação de aliados de Bolsonaro de que o encontro seria um gesto político importante no momento em que as ações do governo no combate à Covid-19 estão no foco do Legislativo. 

A avaliação de integrantes do governo é a de que, mesmo diante de um clima de conflagração, o governo precisa manter diálogo aberto com o grupo que comanda a comissão.

 

De acordo com relatos feitos à CNN, Sarney fez uma análise da conjuntura e afirmou que, para além da pandemia e da crise econômica, Bolsonaro também enfrenta uma crise política, calcada no fato de o Palácio do Planalto não ter grandes partidos, com o MDB, na linha de frente de aliados. 

Pessoas próximas ao presidente relataram que, durante o encontro, Bolsonaro evitou contestar o fato de a relatoria da CPI ter ficado com Renan, mas, em determinado momento da conversa, quis saber se o senador de Alagoas era próximo ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. 

Aliados do governo têm demonstrado preocupação com o uso político da CPI e os seus possíveis impactos na eleição presidencial de 2022. De acordo com relatos, Sarney respondeu que Renan se relaciona com muita gente.  

Mesmo sem disputar eleições desde 2015, Sarney segue sendo considerado em Brasília um exímio articulador político. Só no Senado, foram mais de 39 anos, totalizando cinco mandatos.