Wajngarten pretende levar à CPI da Pandemia carta de agradecimento da Pfizer

Ex-secretário de Bolsonaro também pretende apresentar aos senadores uma linha do tempo de como se deu o seu contato com a farmacêutica

Thais Arbex
Por Thais Arbex, CNN  
10 de maio de 2021 às 20:25 | Atualizado 11 de maio de 2021 às 00:19

 

Ex-secretário de Comunicação da Presidência da República, Fabio Wajngarten pretende apresentar em seu depoimento à CPI da Pandemia, na próxima quarta-feira (12), uma carta de agradecimento da Pfizer por seu trabalho para que a farmacêutica fechasse um contrato com o governo brasileiro para o fornecimento de 100 milhões de doses da vacina contra a Covid-19.  

A CNN apurou que o documento foi enviado em março deste ano e é assinado pelo presidente da Pfizer para a América Latina, Carlos Murillo. A Pfizer, segundo relatos, enviou cartas semelhantes a outros integrantes do governo e parlamentares que, por meio de uma mudança da legislação, viabilizaram a chegada do imunizante da farmacêutica ao país.

De acordo com relatos, Wajngarten também pretende apresentar aos senadores uma linha do tempo de como se deu o seu contato com a farmacêutica.

O ex-secretário de Comunicação do governo dirá à CPI que, em novembro do ano passado, soube que a Pfizer havia enviado uma carta ao presidente Jair Bolsonaro em 12 de setembro, com cópias para então ministro da Saúde Eduardo Pazuello, para o vice-presidente Hamilton Mourão, para o embaixador do Brasil em Washington, Nestor Forster, e para os ministros Braga Netto (então na Casa Civil) e Paulo Guedes (Economia). O documento foi revelado pelo analista de política Caio Junqueira em janeiro deste ano. O documento foi revelado pelo analista de política Caio Junqueira em janeiro deste ano. 

Nele, o CEO mundial da Pfizer, Abert Bourla afirmava que Pfizer já havia feito contato com o governo brasileiro, por meio dos ministérios da Saúde e da Economia, além da embaixada brasileira nos Estados Unidos, mas que até aquele momento não havia obtido resposta. Wajngarten pretende dizer aos senadores, então, que entrou em campo para que o governo fechasse o contrato com a farmacêutica.

De acordo com relatos feitos à CNN, Wajngarten também está preparando documentação sobre a área que lhe dizia respeito: a comunicação. O ex-secretário programa apresentar à CPI as campanhas publicitárias realizadas, com valores e alcance, no âmbito da Secom e do Ministério da Saúde sobre a pandemia da Covid-19.

Fabio Wajngarten faz pronunciamento no Planalto (15.jan.2020)
Foto: Anderson Riedel/PR