Mandato de Covas é extinto e Nunes, do MDB, assume oficialmente prefeitura de SP

Vice já estava atuando como prefeito em exercício há duas semanas, após afastamento de Covas

Juliana Elias, da CNN, em São Paulo
16 de maio de 2021 às 16:19 | Atualizado 16 de maio de 2021 às 16:28
Ricardo Nunes
Ricardo Nunes (MDB) e Bruno Covas (PSDB), em São Paulo
Foto: Ricardo Nunes/Facebook/Divulgação

Seguindo os protocolos previstos na Constituição Federal e também na legislação municipal, a Câmara Municipal de São Paulo declarou extinto o mandato do prefeito Bruno Covas (PSDB), que faleceu na manhã deste domingo (16), aos 41 anos, após uma luta de pouco menos de dois anos contra um câncer no sistema digestivo. 

Com isso, o vice-presidente de sua chapa, o empresário Ricardo Nunes, do MDB, assume em definitivo a prefeitura da capital paulista. Nunes já estava à frente do cargo, como prefeito interino, há duas semanas, desde que, em 2 de maio, Covas pediu um afastamento de 30 dias para se dedicar a seu tratamento em um momento em que a doença se agravou. Covas permaneceu internado no hospital Sírio Libanês, em São Paulo, desde então. 

"A Mesa Diretora, no uso de suas atribuições legais (...), declara extinto o mandato do prefeito Bruno Covas Lopes, por motivo de falecimento, assumindo a chefia do Executivo o Vice-Presidente Excelentíssimo Senhor Ricardo Nunes", informa comunicado emitido no início da tarde deste domingo pela Câmara dos Vereadores paulistana.

Bruno Covas faleceu às 8h20 desta manhã e a morte foi comunicada pouco depois pela assessoria do prefeito. 

Quem é Ricardo Nunes

Nunes ascendeu na política como um misto de empresário e líder comunitário da Zona Sul da capital paulista. Começou sua carreira de empresário enquanto ainda cursava direito na FMU. Com o tempo, encontrou o nicho de mercado que lhe garantiria a criação de um pequeno império: o controle de pragas. Foi especialmente na desinfecção de navios nos portos brasileiros, impedindo a destruição de grandes remessas de grãos, que o empresário cresceu.

Na política, construiu uma trajetória apoiada em um partido expressivo, o MDB, e nas relações com setores da Igreja Católica. 

Antes de chegar a vice-prefeito, Ricardo Nunes foi duas vezes vereador na capital paulista, eleito em 2012 e 2016. No ano passado, estava pronto para concorrer ao terceiro mandato quando foi escolhido para compor a chapa de Bruno Covas.

Durante a campanha, Nunes se converteu em um calcanhar de aquiles do prefeito e candidato à reeleição. Acusações de violência doméstica contra ele foram recuperadas e discutidas publicamente em uma reportagem da "Folha de S.Paulo", mas tanto Nunes quanto a esposa, Regina Carnovale, negaram e atribuíram as denúncias, que não avançaram, a uma "fase muito difícil" no relacionamento.

Bruno Covas defendeu Ricardo Nunes e manifestou crença na inocência do vice, também quando vieram à público notícias envolvendo contratos entre as empresas ligadas ao prefeito em exercício com a Prefeitura de São Paulo.