Convocação de Carlos Wizard para depor à CPI se tornou inevitável, diz Randolfe

Requerimentos de convocação serão votados na próxima quarta-feira (26)

Gregory Prudenciano, da CNN, em São Paulo
20 de maio de 2021 às 19:29 | Atualizado 21 de maio de 2021 às 14:58

O vice-presidente da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Pandemia, senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP), sustentou nesta quinta-feira (20) que o empresário Carlos Wizard Martins deve ser convocado a depor na comissão.

Segundo Randolfe, outros depoimentos realizados até agora, como o do ex-ministro da Saúde Eduardo Pazuello, tornam "inevitável a presença" de Wizard. "Me parece que ele tem um papel de destaque no que chamamos de 'gabinete paralelo'", disse o senador. 

Na quarta-feira (19), em seu depoimento, Pazuello afirmou que convidou Wizard a assumir a Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos do Ministério da Saúde em junho de 2020, mas que o empresário não aceitou a proposta. Na época, repercutiu uma fala do Wizard em que ele acusou governadores e prefeitos de inflacionar o número de mortes por Covid-19, o que gerou uma nota de repúdio por parte de secretários da Saúde. 

A tese do "gabinete paralelo" é uma das linhas mestras dos senadores de oposição que atuam na CPI da Pandemia. A hipótese é que o presidente Jair Bolsonaro determinasse políticas públicas a partir de conselheiros que não fazem parte da estrutura do governo federal. 

Ainda que não tenha assumido o cargo de secretário do Ministério da Saúde, Wizard atuou oficialmente como conselheiro da pasta por cerca de um mês. Ao se demitir do conselho, o empresário pediu desculpas por suas declarações que repercutiram mal entre gestores estaduais e municipais. 

Publicamente, Carlos Wizard é defensor do chamado "tratamento precoce", com a utilização de medicamentos sem eficácia comprovada no enfrentamento da Covid-19. Ele também defende que empresários possam comprar vacinas contra a Covid-19 e distribuí-las diretamente a seus funcionários. 

Bilionário, o empresário é fundador da franquia de escola de idiomas Wizard, cuja marca adotou como nome. A ele pertence gestora Sforza, que tem em seu portfólio empresas como Mundo Verde, Taco Bell, BR Sports (dona das marcas Topper e Rainha, de materiais esportivos) e Hub Prepaid, de meios de pagamento. 

O senador Alessandro Vieira (Cidadania-SE) já apresentou requerimentos para a convocação de depoimento de Carlos Wizard à CPI e também já pediu a quebra dos sigilos telefônico, bancário e fiscais do empresário. 

Segundo Randolfe, a sessão da próxima quarta-feira (26) na CPI da Pandemia será dedicada à votação de vários requerimentos. No site do Senado, constam 27 requerimentos a serem apreciados. A votação dos pedidos, no entanto, será decidida pelo presidente da comissão, senador Omar Aziz (PSD-AM). 

Carlos Wizard Martins, dono da holding Sforza, poderá ser convocado a depor na CPI da Pandemia
Foto: CNN Brasil