Juiz 'linha-dura' será relator de segunda ação sobre Instituto Lula

Definição do nome de Ricardo Leite se deu por meio de sorteio nesta terça-feira (25); ele também cuida de caso que trata de doações ao instituto

Basília Rodrigues
Por Basília Rodrigues, CNN  
25 de maio de 2021 às 13:55
Ex-presidente Lula em São Bernardo do Campo
Ex-presidente Lula em São Bernardo do Campo
Foto: Amanda Perobelli/Reuters

O juiz Ricardo Leite, substituto da 10ª Vara Federal de Brasília, será responsável pelo processo que investiga reformas no Instituto Lula. A definição do nome, que se deu por meio de sorteio, ocorreu nesta terça-feira (25). Em março, ele já havia sido sorteado para cuidar de outro processo, também fruto da Lava Jato, que trata de doações ao Instituto Lula.

Leite é considerado um juiz "linha-dura", que registra decisões positivas e negativas ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.  Em 2018, o juiz absolveu Lula de tentar impedir que o ex-diretor da Petrobras Nestor Cerveró firmasse acordo de colaboração com o Ministério Público Federal.

Em 2017, Ricardo Leite mandou suspender as atividades do instituto. Na época, Lula era investigado por tentativa de obstrução de justiça na Operação Lava Jato.

Sorteio

As ações tramitavam na Justiça Federal de Curitiba mas, por decisão do Supremo Tribunal Federal, foram transferidas para Brasília. Ao todo, são quatro processos, dois deles sobre o Instituto Lula, um sobre o Triplex do Guarujá e outro sobre o Sítio de Atibaia.

Procurada pela CNN, a Justiça Federal do Distrito Federal afirmou que o caso do Triplex ainda não chegou para sorteio, apenas um recurso que havia sido recebido pelo STF. A ação principal ainda não foi enviada para a justiça em Brasília.

Na segunda-feira (24), a CNN divulgou que a juíza Pollyanna Kelly Alves, da 12ª Vara Federal, foi definida em sorteio como responsável pelo processo sobre reformas no Sítio de Atibaia, supostamente realizadas por construtoras em troca de vantagens em contratos públicos.