Entenda como será a semana na CPI da Pandemia

Serão ouvidos o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, o ex-secretário Élcio Franco, o governador Wilson Lima e os médicos Claudio Maierovitch e Natalia Pasternak

Da CNN
06 de junho de 2021 às 13:55 | Atualizado 06 de junho de 2021 às 14:02

Esta semana, quatro depoimentos estão agendados na CPI da Pandemia. O primeiro deles, acontece nesta terça-feira (8), com a reconvocação do atual ministro da Saúde, Marcelo Queiroga. O motivo principal pelo qual ele foi chamado novamente é a confirmação da Copa América no Brasil em meio à pandemia de Covid-19.

Na quarta-feira (9), a CPI ouve o ex-secretário executivo do Ministério da Saúde, Elcio Franco, que integrou a equipe do ex-ministro Eduardo Pazuello. Os senadores querem que ele esclareça sobre a possível existência de um gabinete paralelo de aconselhamento ao governo federal no enfrentamento à pandemia.  

Além disso, Elcio foi responsável por negociações na compra de vacinas e em um dos documentos obtidos pela CPI, ele relata que o atraso na resposta à Pfizer foi motivado pela presença de um “vírus” nos computadores da pasta.

Na quinta-feira (10), os senadores adiantaram o depoimento do governador Wilson Lima (PSC-AM) após a Operação Sangria, da Polícia Federal, ter sido deflagrada no estado para investigar desvios na Saúde. Lima foi um dos alvos da operação.

O governador é acusado pela Procuradoria-Geral da República (PGR) de integrar um esquema de desvios de verbas na compra de respiradores para o combate à Covid-19.

Para encerrar a semana, na sexta-feira (11), a CPI da Pandemia convidou o médico sanitarista e ex-presidente da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) e da Fiocruz (Fundação Oswaldo Cruz), Claudio Maierovitch e a pesquisadora Natalia Pasternak, da USP (Universidade de São Paulo).

O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, é ouvido em sessão da CPI da Pandemia
Foto: Jefferson Rudy - 6.mai.2021/Agência Senado

 

Marcelo Queiroga

O relator da CPI da Pandemia, Renan Calheiros (MDB-AL), é um dos entusiastas da reconvocação do atual ministro da Saúde. Ao criticar Queiroga, Calheiros o chamou de "ministro do silêncio" e disse que ele precisaria retornar para explicar porque se omitiu sobre realizar a Copa América no Brasil. O primeiro depoimento de Marcelo Queiroga também incomodou os senadores da comissão, por ele não ter respondido sobre a conduta pessoal do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) durante a pandemia.

Além da nova oitiva de Queiroga, a CPI da Pandemia deve analisar novos pedidos de convocação. Entre os requerimentos que estão na pauta, aparece o presidente da CBF, Rogério Caboclo, e tambem, do deputado federal Osmar Terra, ex-ministro da Cidadania e suspeito de integrar o gabinete paralelo.

Um requerimento de informações para três companhias aéreas sobre voos feitos pela médica oncologista e imunologista Nise Yamaguchi e seus dois irmãos entre Brasília e São Paulo também devem entrar em discussão.

Outro pedido é o de prestação de contas e informações pelo Ministério da Saúde sobre eventuais contratos e repasses de recursos entre a pasta e pessoas jurídicas que tenham como sócia, ou parte, a médica Nise Yamaguchi, precisamente entre março de 2020 e maio de 2021. Estes pedidos foram protocolados pelo presidente da CPI, senador Omar Aziz (PSD-AM), e é um desdobramento da oitiva da oncologista.