Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    À CNN, Salles descarta chamar Stédile e João Paulo Rodrigues em fase inicial da CPI do MST

    Comissão Parlamentar de Inquérito para investigar as ações do movimento foi instalada na tarde desta quarta-feira (17)

    Da CNN

    O relator da CPI do MST, deputado Ricardo Salles (PL-SP), disse, em entrevista à CNN, que a comissão deve dar prioridade a lideranças locais do movimento e descartou convocar lideranças nacionais como João Pedro Stédile e João Paulo Rodrigues para depor no primeiro momento.

    O deputado disse que o primeiro passo é atualizar as informações do relatório da última CPI sobre o Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) e tratar das invasões que aconteceram desde janeiro de 2023.

    Salles disse que seria uma bobagem convocar Stédile, que faz parte da direção nacional do movimento, neste momento inicial. O deputado disse ainda que Stédile é como um “devedor profissional”: “Não tem nada no nome dele”.

    Para o deputado, a prioridade é identificar e convocar as lideranças em cada um dos estados. “Esses, sim, têm feito movimentações e invasões criminosas”.

    Salles falou também que, a princípio, membros do governo, como ministros de Estado, não devem ser convocados.

    “Não vejo sentido colocar o governo como investigado, se – e coloco no condicional – o governo mantiver a posição de ser contrário às invasões. Mas há explicações que precisam ser dadas”, disse ele, citando os indicados ao Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) com histórico de participação no movimento.

    Ele disse que o foco da comissão não será os governadores, mas não descartou possíveis convites. “A Bahia, nos parece, tem sido extremamente leniente com as invasões no estado. Se essa premissa se confirmar, faz sentido convidar o governador para a CPI”, falou.

    *Publicado por Fernanda Pinotti