Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Acampamentos bolsonaristas são desmontados em vários estados após ordem de Moraes

    O ministro determinou um prazo de 24 horas para que os grupos responsáveis pelos acampamentos se retirem

    Bolsonaristas desmontando acampamentos na Bahia.
    Bolsonaristas desmontando acampamentos na Bahia. Alberto Maraux/SSP

    Gustavo ZanferEvelyne LorenzettiBeatriz Gabrieleda CNN

    O ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), determinou que acampamentos montados por grupos bolsonaristas comecem a ser desmobilizados após os atos criminosos e depredação dos Três Poderes neste domingo (8), em Brasília. Durante todo o dia, acampamentos em vários estados do país foram desmontados.

    As bases dos acampamentos de apoiadores do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) começaram a crescer em novembro de 2022, em frente a quartéis generais do Exército em vários estados do Brasil, e repudiam o resultado das urnas que elegeram o presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT).

    Na decisão, Moraes convocou o apoio da Força Nacional e da Polícia Federal para realizar, junto às polícias militares, para realizar a “prisão em flagrante [nos acampamentos] de seus participantes pela prática de crimes”. O ministro determinou, ainda, a “desocupação e dissolução total” dos acampamentos em um prazo de 24 horas.

    Veja a situação dos acampamentos nos estados brasileiros:

    Brasília

    Em Brasília, o ministro da Justiça, Flávio Dino, disse que cerca de 1.500 prisões de manifestantes foram feitas pelas autoridades no acampamento do Quartel General do Exército.

    Cerca de 1.200 bolsonaristas foram retirados do acampamento em frente ao quartel do Exército, em Brasília, e conduzidos à Academia Nacional da Polícia Federal.

    O acampamento dos bolsonaristas perdurou por mais de 60 dias.

    Bahia

    A Secretaria da Segurança Pública da Bahia (SSP-BA) desmontou acampamentos de bolsonaristas antidemocráticos em ação simultânea realizada nas cidades de Salvador, Alagoinhas e Feira de Santana, na tarde desta segunda-feira (9).

    Coordenada pelo Comando de Policiamento Especializado (CPE) da Polícia Militar, guarnições do Batalhão de Operações Policiais Especiais (Bope), do Choque, do Batalhão Especializado em Policiamento de Eventos (Bepe), do Águia e da 2ª Companhia Independente de Polícia Militar (CIPM) foram até o bairro da Mouraria e iniciaram o processo de negociação.

    Seis toldos, cadeiras, banheiros químicos e isopores, que davam suporte aos seguidores de Bolsonaro, foram removidos.

    Equipes de negociação do Bope dialogam com os radicais para evitar aglomerações na porta do Quartel General da 6ª Região.

    Espírito Santo

    O governador Renato Casagrande (PSB) disse à CNN que, já no dia 2 de janeiro, houve a desmobilização de manifestantes em frente ao 30º Batalhão de Infantaria do Exército Brasileiro.

    “Agora à tarde [desta segunda-feira (9)] a polícia foi lá com as demais instituições e retiramos alguns poucos manifestantes que ainda restavam. Não tem mais manifestantes bolsonaristas em frente ao quartel”, complementou Casagrande.

    Goiás

    O governador de Goiás Ronaldo Caiado (União Brasil) definiu estratégia, em reunião com a cúpula da Secretaria de Segurança Pública, em Goiânia, na manhã desta segunda-feira (9).

    Caiado afirmou , em relação aos acampamentos bolsonaristas, que “toda área que for de responsabilidade do Governo de Goiás será esvaziada”. O governo também realiza articulação, junto ao Exército Brasileiro, para que o mesmo seja feito nas áreas de quartéis, como no Jardim Guanabara, em Goiânia.

    Mato Grosso do Sul

    A Secretaria de Estado de Justiça e Segurança Pública (Sejusp) informou, em nota, que a decisão de Moraes será cumprida dentro do prazo determinado.

    Os acampamentos foram sendo desmobilizados ao longo desta segunda-feira sob a escolta da Polícia Militar. O grupo se concentrava em frente ao Comando Militar do Oeste (CMO), em Campo Grande.

    São Paulo

    O Governo do Estado de São Paulo, em ação conjunta com a prefeitura do estado, destacaram equipes para remover as barracas montadas pelos radicais bolsonaristas, que se concentravam em frente ao Comando Militar do Sudeste, próximo a Assembleia Legislativa de São Paulo (Alesp).

    O grupo em questão seria mais preocupante, segundo o secretário estadual de Segurança Pública de São Paulo, Guilherme Derrite.

    O objetivo da SSP é que os 34 acampamentos bolsonaristas se desfaçam sem a necessidade de uso da força.

    Foi instalado ainda no domingo (8) um Gabinete de Crise, visitado pelo governador Tarcísio de Freitas (Republicanos).

    Rio de Janeiro

    O governador do Rio de Janeiro, Cláudio Castro (PL), afirmou nesta segunda-feira (9) que todos os acampamentos golpistas serão desmobilizados até o fim do dia, mesmo se for necessário o uso da força policial.

    “A Polícia Militar está pronta pra ser acionada se necessário. Se não conseguirmos fazer o cumprimento pacífico, que usemos a força necessária e proporcional pra cumprir essa decisão de forma integral”, afirmou o governador.