Ala militar do governo se sobrepôs à ala política em episódio de comboio militar

Presidente Jair Bolsonaro irá receber militares durante uma exibição de blindados em Brasília nesta terça-feira (10)

Da CNN, em São Paulo

Ouvir notícia

A decisão do presidente Jair Bolsonaro em participar de um evento envolvendo um comboio militar nesta terça (10), mesmo dia que deve ser votada na Câmara a PEC do voto impresso, mostra que a ala militar se sobrepôs à ala política dentro do Planalto, segundo o analista de política da CNN Caio Junqueira.

O analista reitera que ministros influentes do governo desconheciam a passagem de blindados militares por Brasília, fato que foi evidenciado pela imprensa no decorrer desta segunda-feira (9).

A Marinha do Brasil confirmou, em nota enviada à imprensa, que a Operação Formosa 2021 será realizada e afirmou que 14 viaturas ficarão em exposição durante essa terça-feira (10), em frente ao prédio da Marinha na Esplanada dos Ministérios.

Para o analista, todo o enredo de hoje, desde que a Marinha anunciou a participação pela manhã na imprensa, leva a crer que com a confirmação do evento que ficou um embate; a ala militar do governo se sobrepôs à ala politica do governo. O episódio chama a atenção, inclusive, pela ausência do centrão e da ala política neste momento.

Os partidos Psol e Rede protocolaram, nesta segunda-feira, uma ação no Supremo Tribunal Federal (STF) para a suspensão de exibições militares no Plano Piloto de Brasília, especialmente nas adjacências do Palácio do Congresso Nacional.

Na visão do analista, o próprio governo avalia que o centrão apresenta-se de forma a dominar tudo, inclusive a área fiscal. Entretanto, com a decisão de receber militares que realizam um comboio que partiu do Rio de Janeiro, o presidente Jair Bolsonaro faz um sinal para a área militar.

Voto impresso

O presidente Jair Bolsonaro não deve deixar de insistir no discurso em defesa ao voto impresso, entretanto, Bolsonaro deverá ser ponderado no que diz respeito à “brigas políticas”.

Na visão do analista político da CNN Caio Junqueira, dois importantes nomes no cenário político devem ficar isentos de embates diretos criados pelo presidente.

Pela personalidade do presidente é difícil imaginar que o enterro do voto impresso acabará com a crise institucional, mas o presidente tem duas pessoas que ele não pode brigar na República, uma é o procurador-geral da República Augusto Aras, e outro é o presidente da Câmara Arthur Lira (PP-AL).

A ponderação de Bolsonaro ao relacionar-se com Arthur Lira, por exemplo, traz prudência considerando a quantidade de pedidos de impeachment na competência de Lira.

Hoje ele briga com o Judiciário, mas não briga com o poder Legislativo. Se a PEC do voto impresso for enterrada, seria beirar o suicídio o Bolsonaro comprar uma briga com Arthur Lira, que tem mais de 130 pedidos de impeachment. O presidente vai continuar o discurso do voto impresso, mas espera-se que contra Arthur Lira ele vá tentar pelo menos moderar a relação.

Militares do Exército brasileiro
Militares do Exército brasileiro
Foto: Marcelo Camargo/ Agência Brasil

Mais Recentes da CNN